Assédio no arrendamento vai ser punido a partir de amanhã. Multas aos senhorios podem atingir os 900 euros mensais

Para quem não cumprir a lei, as punições prevêem que os senhorios paguem uma multa diária de 20 euros diária. Mas este valor pode subir para os 30 euros quando o arrendatário tiver uma “idade igual ou superior a 65 anos ou grau comprovado de deficiência igual ou superior a 60%”

Os senhorios que assediem os seus arrendatários para que estes abandonem as casas passam a ser punidos a partir de amanhã, quarta-feira, quando entra em vigor a lei que proíbe e pune o assédio no arrendamento. As multas são diárias e, em teoria, podem atingir um valor máximo de 900 euros mensais.

“É proibido o assédio no arrendamento ou no subarrendamento, entendendo-se como tal qualquer comportamento ilegítimo do senhorio, de quem o represente ou de terceiro interessado na aquisição ou na comercialização do locado, que, com o objetivo de provocar a desocupação do mesmo, perturbe, constranja ou afete a dignidade do arrendatário, subarrendatário ou das pessoas que com estes residam legitimamente no locado, os sujeite a um ambiente intimidativo, hostil, degradante, perigoso, humilhante, desestabilizador ou ofensivo, ou impeça ou prejudique gravemente o acesso e a fruição do locado”, pode-se ler na lei publicada esta quarta-feira em Diário da República.

As punições prevêem que os senhorios paguem uma multa de 20 euros diária aos arrendatários. Mas este valor pode subir para os 30 euros quando o arrendatário tiver uma “idade igual ou superior a 65 anos ou grau comprovado de deficiência igual ou superior a 60%”.

As multas cessam quando o senhorio “demonstre o cumprimento da intimação”, conforme a lei,  ou, em “caso de incumprimento, até que seja decretada a injunção”, também prevista na legislação.

A lei prevê que o arrendatário possa intimar o senhorio a tomar providências em várias situações: “cessar a produção de ruído fora dos limites legalmente estabelecidos (…) praticados por si [senhorio] ou por interposta pessoa”; “corrigir deficiências do locado [o imóvel arrendado] ou das partes comuns do respetivo edifício que constituam risco grave para a saúde ou segurança de pessoas e bens”; “corrigir outras situações que impeçam a fruição do locado, o acesso ao mesmo ou a serviços essenciais como as ligações às redes de água, eletricidade, gás ou esgotos”.

Além da intimação, o arrendatário pode requerer à câmara municipal competente a realização de uma vistoria ao locado para verificar a ocorrências das situações denunciadas. Este requerimento “possui natureza urgente e deve ser realizada no prazo máximo de 20 dias, devendo o respetivo auto ser emitido até 10 dias após a sua realização”.

Depois, o senhorio tem 30 dias a contar da receção da intimação para comunicar ao “arrendatário nos mesmos termos” a demonstração da “adoção das medidas necessárias para corrigir a situação visada ou expor as razões que justifiquem a não adoção do comportamento pretendido pelo arrendatário”.

Caso o senhorio não responda, ou “caso a situação se mantenha injustificadamente por corrigir, sem prejuízo da responsabilidade civil ou criminal que possa resultar dos mesmos factos e da possibilidade de recurso aos demais meios judiciais ou extrajudiciais ao seu dispor”, o arrendatário pode: requerer uma injunção contra o senhorio, destinada a corrigir a situação, ou exigir o pagamento da sanção pecuniária de 20 euros por dia, de 30 euros para idosos e cidadãos portadores de deficiência.

Ler mais
Recomendadas

VIC Properties compra terrenos da Matinha para construir mais de duas mil habitações

Com uma área de aproximadamente 20 hectares, num total de 260 mil metros quadrados previstos de área de construção, a empresa prevê que as obras sejam iniciadas no início de 2020, e os trabalhos realizados ao longo dos anos seguintes.

Estas são as três zonas de melhor investimento no alojamento local em Lisboa

São Sebastião da Pedreira, São José e Santa Justa revelaram o melhor potencial de investimento numa análise da Hostmaker. Em sentido oposto, as zonas de Belém e São Miguel dos Olivais foram consideradas as menos atrativas devido à reduzida ocupação anual e aos preços por noite praticados.

Ocupação do mercado de escritórios em Lisboa aumentou 64% em maio

Em termos homólogos o crescimento foi de 11%, registando um total de 19 operações e uma área média de 940 metros quadrados. A nível trimestral verificaram-se 74 operações e uma área média de 953 metros quadrados.
Comentários