Associação defende revisão urgente dos instrumentos de recuperação de empresas

“É possível prever que, a não serem tomadas medidas urgentes pelo governo, se verifique em breve uma subida significativa dos processos de insolvência, com efeitos dramáticos no tecido económico e social”, explicou a APDIR.

A Associação Portuguesa de Direito da Insolvência e Recuperação (APDIR) defendeu esta quarta-feira a revisão urgente dos instrumentos de recuperação de empresas para permitir uma alternativa à insolvência, sobretudo no contexto da crise causada pela covid-19.

“A APDIR reitera a posição que vem assumindo junto do Governo, frisando a urgência de rever os instrumentos de recuperação de empresas atualmente em vigor – como o RERE [Regime Extrajudicial de Recuperação de Empresas] e o PER [Processo Especial de Revitalização]”, sustentou a organização em comunicado.

O objetivo é “permitir uma alternativa à insolvência e um impulso adicional à possibilidade de recuperação das empresas portuguesas”, indicou na mesma nota.

O assunto será um dos temas a abordar pela APDIR no 3.º Congresso agendado para 22 de maio, acrescentou a organização.

A APDIR lembrou que “em virtude do Estado de Emergência, foi determinada uma suspensão do dever de apresentação à insolvência por parte dos administradores das empresas e, igualmente, a suspensão dos processos”, medidas que “terão permitido, numa primeira fase, amortecer o impacto da crise”.

“No entanto, é possível prever que, a não serem tomadas medidas urgentes pelo governo, se verifique em breve uma subida significativa dos processos de insolvência, com efeitos dramáticos no tecido económico e social”, salientou a associação.

Em causa, indicou, estão “as últimas estatísticas trazidas a público pela Crédito y Caución,” nas quais se verifica “uma consolidação da tendência de crescimento dos processos de insolvência em Portugal, nos primeiros quatro meses de 2020”.

“Este crescimento de 4,1%, cujo impacto não reflete, ainda, os efeitos da crise pandémica, encontra-se distribuído de forma desigual, por todo o território nacional”, frisou a APDIR.

A 11 de maio, a Iberinform, especialista em informação comercial, financeira e de risco de empresas, também divulgou um relatório no qual se indicava que as insolvências aumentaram 4,5% nos primeiros quatro meses do ano, com um total de 1.745 ações, mais 75 do que no mesmo período de 2019.

Apesar de as insolvências em abril terem diminuído 20% face ao período homólogo do ano passado, o que pode ser justificado pelas limitações de atividade decorrentes da situação de pandemia e dos impactos do estado de emergência, em termos acumulados, os primeiros quatro meses de 2020 mostram uma tendência de aumento nas insolvências, de acordo com o documento.

Numa análise por tipologia de ações, até ao final de abril registou-se um aumento de 32,4% nas declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas, cujo valor evoluiu de 364 em 2019 para 482 em 2020.

 

Recomendadas

Caixa Geral de Depósitos aumenta lucros para 294 milhões de euros

No primeiro semestre, o resultado líquido consolidado da CGD atingiu 294 milhões de euros (249 milhões no período homólogo). O banco revela ainda a “continuação do reforço de imparidades de crédito em 90,2 milhões de euros em base preventiva dos potenciais efeitos da crise pandémica”.

Mais de metade das empresas com quebras no volume de negócios em 2020

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.

Comissão de Trabalhadores da Meo apresentou proposta para travar despedimento coletivo mas administração recusou

A entidade “entende que este despedimento coletivo é injustificável, impróprio, imoral e ilegal”. 
Comentários