Associação DNS.PT implementa centro de operações de segurança

O projeto foi submetido a avaliação pela Comissão Europeia.

A Associação DNS.PT desenvolveu um projeto com vista à implementação de um Centro de Operações de Segurança para “acelerar a capacidade de resposta a incidentes e ameaças de cibersegurança”. A iniciativa foi submetida a avaliação pela Comissão Europeia, tendo sido objeto de aprovação e financiamento.

A implementação deste projeto pressupõe a adoção de uma solução de SIEM – Security Information and Event Management enquanto componente tecnológica chave que permite não só recolher, classificar e avaliar eventos das fontes de dados existentes na rede, mas também executar mecanismos de correlação e priorização de informação relevante.

Do ponto de vista dos recursos humanos, o projeto “reforça a capacitação interna dos profissionais do .PT, através da formação e do desenvolvimento de novas competências, e promove a integração de profissionais qualificados”.

“Além de aumentarmos a capacidade interna de resposta do .pt a incidentes de segurança, o centro de operações de segurança permitirá reforçar a capacidade de cooperação com todas as partes interessadas, nomeadamente a Autoridade Nacional, através da disponibilização de informação estruturada sobre riscos, vulnerabilidades e ameaças”, explica Luisa Gueifão, presidente do conselho diretivo do .PT.

PCGuia
Recomendadas

Menezes Leitão é o novo bastonário da Ordem dos Advogados

O candidato Menezes Leitão conseguiu 8.762 votos na segunda volta das eleições, que começaram na quarta-feira e terminaram hoje.

Banco Africano do Desenvolvimento aprova empréstimo de 20 milhões para reforçar setor privado em Cabo Verde

O projeto insere-se no propósito do banco de industrializar o continente africano e de melhorar a vida da sua população, duas das maiores prioridades de desenvolvimento do BAD.

Rui Rio diz que seria cobarde se não indicasse marido de deputada para o Conselho do MP

O líder social-democrata salientou que Rui Silva Leal “tem o perfil adequado” para o cargo para o qual foi indicado e que esta é apenas uma indicação e não uma nomeação, que ainda terá de ser votada pelos deputados na Assembleia da República.
Comentários