Associações da construção debatem nova lei dos vistos

Nesta iniciativa estão previstas intervenções do secretários de Estado da Internacionalização e da Administração Interna, respetivamente, Eurico Brilhante Dias e Patrícia Gaspar.

A AICCOPN – Associação dos Industriais da Construção Civil e das Obras Públicas e a AECOPS – Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços  realizam hoje, dia 27 de fevereiro, uma sessãode esclarecimento sobre a nova legislação de vistos.

“Tendo presente o necessário alinhamento estratégico setorial a adotar no mercado internacional e, com o objetivo de apoiar as empresas na resolução dos seus constrangimentos nos mercados onde já estão implementadas, assim como promover oportunidades de negócio efetivas nas potenciais geografias onde as mesmas tencionam operar, a AICCOPN e a AECOPS realizam amanhã [hoje], dia 27 de fevereiro, uma sessão de esclarecimento, dedicada à ‘Nova Legislação de Vistos – Mobilidade Transnacional da Mão-de-Obra (…)”, esclarece um comunicado conjunto destas associações.

Esta iniciativa cai contar com as intervenções do secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias; da Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar; e também da Diretora Regional do Norte do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Gabriela Parreirão.

Estão igualmente previstas intervenções dos presidentes da AICCOPN, Manuel Reis Campos; e da AECOPS, Ricardo Gomes.

“Esta iniciativa, desenvolvida no âmbito da Marca GPC – Global Portuguese Construction, que tem por missão promover a construção nacional nos mercados externos, pretende constituir um palco privilegiado para conhecer as orientações do Governo e debater as medidas que permitirão otimizar a mobilidade de recursos humanos, no intuito de solucionar o grave problema da escassez de mão-de-obra, que atualmente o setor enfrenta, assim como abordar as expectativas para o nosso setor, no que respeita à diplomacia económica e ao acesso às fontes de financiamento disponíveis, no âmbito do apoio à internacionalização”, conclui o respetivo comunicado.

Recomendadas

Empresas de construção têm condições para cumprir normas da DGS, diz presidente da AECOPS

Segundo Ricardo Pedrosa Gomes, nas empresas mais pequenas, onde a tarefa se afigura de mais difícil concretização, “a própria empresa tem reduzir o ritmo da atividade”.

Setor dos recursos minerais otimista na recuperação da atividade

A preservativa de evolução da liquidez é mais otimista face ao mês de abril, apesar de 33% estimar um impacto negativo de 20% a 40% na liquidez.

Empresas espanholas ficam com maioria das obras públicas em Portugal

As empresas nacionais asseguram apenas um terço dos 1.431 milhões adjudicados desde o início de 2019, escreve o “Público”.
Comentários