Associados da Fectrans retomam negociações com Antram às 14h00

A reunião estava marcada para esta manhã, às 9h30, mas acabou por ser adiada para a parte da tarde. O coordenador da Fectrans, José Manuel Oliveira, duvida que possa ser alcançado um acordo já esta quarta-feira.

greve_motoristas_matérias_perigosas_2

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), o maior sindicado do setor dos transportes que não aderiu à greve, vai retomar negociações com a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) esta segunda-feira, às 14h00. A reunião estava marcada para esta manhã, às 9h30, mas acabou por ser adiada para a parte da tarde.

Em cima da mesa de negociações vão estar, sobretudo, o valor do subsídio atribuído aos trabalhadores com formação específica para cargas e descargas, as chamadas ajudas de custo diárias e os subsídios de refeição. A portaria que proíbe o transporte de combustíveis em cisterna aos domingos e feriados é outro dos assuntos que a Fectrans quer colocar na agenda.

Ao contrário das previsões enunciadas por André Matias de Almeida, representante da Antram, ao Jornal Económico, na edição impressa do passado dia 9 de agosto, no sentido de que esta poderia ser a última reunião para fechar o acordo com a Fectrans para uma nova contratação coletiva para o setor, José Manuel Oliveira, coordenador da estrutura sindical, duvida de um desenlace bem sucedido já hoje.

“Mesmo que amanhã [hoje] se pudessem esgotar todas as questões para que foi mandatada a comissão negociadora [da Fectrans], é claro que teremos depois de levar esse processo à votação das bases. Não me parece que todas essas questões fiquem fechadas amanhã”, alerta o coordenador da Fectrans.

José Manuel Oliveira acrescenta que “as negociações com a Antram, em Lisboa, têm andado relativamente bem, mas ainda há matérias que não estão fechadas; há, aliás, assuntos que ainda foram sequer negociados”.

A reunião vai decorrer na sede da associação patronal, em Lisboa. Inicialmente, a reunião estava marcada para as 9h30, mas acabou por ser adiada para as 14h00. Na próxima sexta feira, na sede do Ministério das Infraestruturas e Habitação, realiza-se uma reunião entre a Fectrans e a Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), outra associação patronal do sector rodoviário pesado de mercadorias.

Ler mais
Relacionadas
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

CGTP mantém hoje nova ronda de negociações com a ANTRAM

José Manuel Oliveira, o responsável máximo da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), da CGTP, revelou ao Jornal Económico que a reunião irá decorrer hoje, a partir das 9h30.

Pardal Henriques afirma que “as coisas vão ser cada vez mais complicadas”

Pardal Henriques lançou novamente “o repto à ANTRAM”, afirmando que estão disponíveis “para resolver a situação”, garantindo que têm de ser os patrões a dar o primeiro passo e chamar para encontrar uma solução e a greve ser desconvocada.

“Os motoristas não querem fazer greve, mas querem os problemas resolvidos”, diz presidente do SNMMP

O presidente do SNMMP, em declarações à comunicação social, em Aveiras, criticou ainda o porta-voz da ANTRAM, André Matias, classificando as suas intervenções de “incendiárias”.
Recomendadas

Brexit marca último debate televisivo entre Johnson e Corbyn antes das eleições

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o rival trabalhista, Jeremy Corbyn, enfrentaram-se num último debate televisivo, transmitido na estação pública BBC a menos de uma semana das eleições legislativas de 12 de dezembro.

Conservadores de Boris Johnson terão maioria no parlamento, conclui sondagem

O estudo de opinião da YouGov aponta para que o partido ganhe 359 dos 650 lugares no parlamento britânico – o melhor resultado em mais de 30 anos.

Brexit antes do Natal: Boris Johnson promete saída antes da data

O dirigente britânico apresentou o manifesto do Partido Conservador em Telford, West Midlands, um documento de 50 páginas que é lançado a cerca de três semanas das eleições antecipadas do Reino Unido, as “mais cruciais da história moderna”, segundo Johnson.
Comentários