Assunção Cristas sobre remodelação: “mudanças sem rasgo” a reboque do caso de Tancos

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, desvalorizou hoje a remodelação governamental, afirmando que foi feita “por arrasto” do caso do furto de Tancos e que Governo e primeiro-ministro estão fragilizados.

Cristina Bernardo

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, desvalorizou hoje a remodelação governamental, afirmando que foi feita “por arrasto” do caso do furto de Tancos e que Governo e primeiro-ministro estão fragilizados.

As mudanças no executivo, feitas com “prata da casa”, e “sem rasgo”, são a “prova dos nove da extraordinária fragilidade do primeiro-ministro”, afirmou Assunção Cristas no encerramento da escola de quadros da Juventude Popular (JP), em Peniche, Leiria.

O primeiro-ministro, António Costa, propôs hoje as exonerações dos ministros da Defesa, Azeredo Lopes, da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, e a sua substituição, respetivamente, por João Gomes Cravinho, Marta Temido, Pedro Siza Vieira e Graça Fonseca, propostas que foram aceites pelo Presidente da República.

Recomendadas

Reforma militar em debate hoje na AR sob fogo de ex-chefes militares e ex-Presidentes

Esta reforma – uma das mais polémicas desde a chamada “Lei dos Coronéis”, na década de 1990, que impunha a reforma antecipada a dezenas de oficiais – está a ser contestada por ex-chefes de Estado Maior dos três ramos, 28 dos quais, incluindo Ramalho Eanes, antigo Presidente e ex-chefe do Exército, que assinaram uma carta a criticá-la e a pedir um debate alargado à sociedade civil.

Bloco de Esquerda propõe criminalização de terapias de reconversão sexual

O projeto do BE sugere que os autores da intervenção fiquem proibidos de exercer profissão, emprego, funções ou atividades, públicas ou privadas, durante um período que poderá durar até 20 anos.

Jovens estão sub-representados nos órgãos de decisão, alerta ministro da Educação

Brandão Rodrigues começou por apontar que, de manhã, os ministros tiveram oportunidade de dialogar com jovens – incluindo jovens da Alemanha, Portugal e Eslovénia (o atual trio de presidências da UE) e de França (a seguinte, no primeiro semestre de 2022) -, o que “foi importante” e constituiu “material de trabalho para a reunião da tarde”.
Comentários