Ataques na Arábia Saudita fazem Dow Jones quebrar oito dias de ganhos

Os títulos das transportadoras aéreas JetBlue Airways (-3,05%, para 16,86 dólares), da United Airlines (-2,84%, para 88,76 dólares) e da American Airlines (-7,28%, para 27,27 dólares) reagiram em baixa à notícias dos ataques à petrolífera saudita.

Reuters

A Bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta segunda-feira, dia 16 de setembro, em terreno negativo, em reação aos ataques à petrolífera saudita Saudi Aramco. Os mercados financeiros norte-americanos não resistiram ao impacto desta investida, reivindicada pelos rebeldes Houthis do Iémen, o que levou o preço do petróleo a disparar ao longo do dia.

Os principais índices de Wall Street terminaram o dia com perdas, com o industrial Dow Jones a cair 0,52%, para os 27.076,82 pontos – após oito dias consecutivos de subidas -, o financeiro S&P 500 a descer 0,31%, para 2.997,96 pontos, e o tecnológico Nasdaq a deslizar 0,28%, para os 8.153,54 pontos. Já o Russel 2000 ficou marcado por um ganho de 0,24%, para os 1.583,68 pontos.

Perante os ataques com drones às instalações do maior produtor de crude do mundo, que representa 10% da produção global, o presidente Donald Trump disse que os Estados Unidos poderão usar o petróleo da sua Reserva Estratégica para manter o mercado “bem abastecido”.

A cotação do barril de Brent está a somar 12,57%, com valor de 67,69 dólares, enquanto a do crude WTI sobe 11,93%, para 61,94 dólares por barril. O barril de Brent para entrega em novembro encerrou no mercado de futuros de Londres a subir 14,59%, para 69,02 dólares, enquanto o crude do mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão no International Exchange Futures a cotar 8,79 dólares (acima dos 60,23 com os quais terminou as negociações no final da semana passada).

“Paralelamente, o sentimento também era influenciado pelos dados económicos revelados sobre a economia chinesa (a produção industrial caiu para o mínimo dos últimos 17 anos e meio)”, lembram os analistas do CaixaBank/BPI/Research, numa nota de mercado publicada esta tarde.

A nível corporate, destaque para a queda de 4,25% das ações da fabricante automóvel General Motors, para 37,21 dólares, depois que o sindicato United Auto Workers ter agendado uma greve de trabalhadores. Por outro lado, os títulos das transportadoras aéreas JetBlue Airways (-3,05%, para 16,86 dólares), da United Airlines (-2,84%, para 88,76 dólares) e da American Airlines (-7,28%, para 27,27 dólares) reagiram em baixa à notícias dos ataques na Arábia Saudita.

Ler mais
Recomendadas

Libra em alta depois de Barnier afirmar que um acordo para o Brexit é possível esta semana

Londres e Bruxelas continuam a negociar a saída do Reino Unido da União Europeia a poucos dias da reunião do Conselho Europeu de 17 e 18 de outubro em Bruxelas, que tem sido encarada como a última oportunidade para evitar uma saída britânica sem acordo. Os mercados, sobretudo o segmento cambial, têm sido voláteis no que respeita ao Brexit

Galp, Mota-Engil, BCP e Navigator impulsionam bolsa de Lisboa

Em Lisboa, catorze empresas cotadas valorizam, duas desvalorizam e outras duas negoceiam sem variação.

PremiumOs investidores sentem falta do dinamismo da bolsa portuguesa

Ricardo Seixas, administrador-delegado da Fidentiis Gestión, diz em entrevista, que a bolsa não reflete o tecido empresarial português.
Comentários