Atrasos, extravios e retenções no correio expresso fazem reclamações disparar 212%

O Portal da Queixa registou um aumento “exponencial”, na ordem dos 212%, do número de reclamações dirigidas às empresas de entregas de encomendas, face ao período homólogo.

REUTERS/Kim Hong-Ji

As reclamações a empresas de correio expresso aumentaram 212% entre 1 de outubro de 2017 e 14 de dezembro de 2017, face ao período homólogo, acaba de divulgar o Portal da Queixa, rede social de consumidores online em Portugal, que identificou este aumento “exponencial” pelas reclamações registadas na sua plataforma.

O ranking por número de reclamações da categoria Correio Expresso, desde outubro de 2017, é liderado pelos CTT  com 964 reclamações, segue-se a GLS (257), a Chronopost (173), a Seur (152), a MRW (88) e a DHL (37).

Segundo esta plataforma, do início de outubro até este momento, verificou-se um aumento de 212% no número de reclamações, dirigidas às empresas que efetuam o transporte das encomendas, do vendedor até ao comprador, face ao período homólogo de 2016. Este volume de 2.165 reclamações em apenas 2 meses e meio, deve-se, na sua grande maioria, ao atraso na entrega das encomendas, a falta de apoio ao cliente, entregas falhadas, dificuldades de contacto e a entrega danificada. Em comunicado, a rede detalha ainda que “só nos primeiros 14 dias de dezembro, já foram recebidas mais de 500 reclamações sendo que um dos problemas proeminentes é o estado das encomendas dos consumidores, nomeadamente a possibilidade de não ser entregue a tempo para o Natal, do extravio ou até mesma pela retenção na Alfândega de Lisboa.”

Pedro Lourenço, CEO & Founder do Portal da Queixa, relaciona este aumento “com a alteração do comportamento do atual consumidor (cada vez mais adepto das compras online), e com o facto de as empresas de correio expresso não estarem preparadas para um aumento de compras através da internet, realidades manifestamente evidentes na Black Friday (final de novembro) e na própria época do Natal”.

Em seu entender, “embora a maioria das empresas de correio expresso não seja contratada pelo cliente final – pois são um serviço pago pelo vendedor -, numa economia digital como a atual, elas tornaram-se intermediários fundamentais para que o comércio online cresça com a fluidez e confiança necessária por parte dos consumidores portugueses”. Mas, reforça, “infelizmente, esse não tem sido o comportamento de algumas marcas que frequentemente recebem reclamações que colocam em causa a confiança dos consumidores no setor”.

Recomendadas

Imperial liga-se à Walmart e abre portas para México, Chile e China

“A Imperial fechou um acordo com a Walmart Brasil e passámos a ser um fornecedor principal da insígnia Sam´s Club, o que abre as portas do México, Chile e China no próximo ano, nomeadamente aos produtos saudáveis”, disse à agência Lusa a presidente executiva da empresa, Manuela Tavares de Sousa.

AEP realizou 41 ações em 31 mercados com duas centenas de empresas nacionais

Em 2018, os setores que mais participaram em ações de internacionalização desenvolvidas pela AEP foram os Materiais de Construção, Agroalimentar e Casa & Decoração. A República Dominicana, Namíbia, Geórgia, Arménia, Bulgária e Paraguai foram os mercados que a AEP abordou pela primeira vez este ano.

Doutor Finanças distinguida como PME Líder 2018

O Doutor Finanças já se encontra a apoiar os portugueses com as suas finanças desde 2014, tendo ajudado já mais de 20.000 famílias a equilibrar a sua situação económico-financeira.
Comentários