Auditores alertam para possível ‘buraco’ de três mil milhões no Metro de Lisboa

São seis as reservas elencadas pela auditora BDO às contas do Metropolitano de Lisboa referentes a 2018, e que foram apresentadas ontem pela administração da empresa. Estas questões poderão agravar ainda mais a situação financeira do ML.

Existem sérias dúvidas sobre o real retrato das contas do Metropolitano de Lisboa (ML) referentes a 2018, enviadas ontem, dia 18 de julho, pela empresa pública à CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Nesse documento, o relatório de auditoria da BDO emite várias reservas, a principal das quais tem a ver com a forma como a administração do ML tem vindo a contabilizar no seu balanço os investimentos em infraestruturas de longa duração (ILD), assim como o respetivo financiamento, avança o Jornal Económico esta sexta-feira (acesso pago).

“Não é claro o enquadramento legal ou contratual, que tem vindo a ser assumido pelo Grupo, da eventual obrigação do Estado de reembolsar o Grupo pela parte não subsidiada do investimento em ILD e pelos gastos associados ao seu financiamento, subsistindo assim uma importante incerteza quanto à recuperação dos valores investidos em ILD e à forma e valor de realização da referida conta a receber do Estado de 2.955 milhões de euros, o que configura uma limitação ao âmbito do nosso trabalho no que respeita à valorização dos referidos ativos e ao impacto desta política contabilística nos resultados e no capital próprio do Grupo”, revela o referido relatório de auditoria da BDO.

Também a sociedade de revisores oficiais de contas Alves da Cunha, A. Dias & Associados coloca diversas reservas quanto às contas da empresa, mencionado o contrato de concessão de serviço público assinado a 5 de dezembro de 2014 entre o Estado português e a empresa, evidenciando dúvidas quanto às classificações, reconhecimentos e mensurações dos ativos do ML, assim como na referida questão da avaliação, posse e utilização das referidas ILD da empresa.

Recomendadas

Grupo Vila Galé investe 3,5 milhões de euros em lagar no Alentejo

A empresa Casa Santa Vitória, do grupo Vila Galé, inaugurou este sábado um lagar para produzir os seus próprios azeites, no concelho de Beja, que implicou um investimento de 3,5 milhões de euros.

PremiumPortugal é considerado o berço internacional da inovação têxtil e do calçado

A aposta na internacionalização e no aumento das exportações só foi possível depois de mudança de paradigma: a indústria já não compete pelo preço, mas pelo que de surpreendente lança no mercado.

Espanha domina 70% das obras públicas na ferrovia nacional

O presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS), Ricardo Pedrosa Gomes, considera que a percentagem é “desproporcionada” e nota que “nunca existiu reciprocidade no mercado espanhol”.
Comentários