Auditores aprovaram contas da Parpública de 2019 com uma ênfase por causa da Covid-19

“A situação de crise de saúde pública que se vive nesta data em Portugal e no mundo irá seguramente provocar impactos sobre toda a economia, e portanto também sobre todas as empresas participadas e sobre a holding, os quais, são, nesta data, ainda impossíveis de caracterizar e quantificar”, dizem os auditores das contas da dona de 72,5% da TAP e da recente nacionalizada Efacec.

“Parpública, a demonstração dos  resultados por naturezas, a demonstração do resultado integral, a demonstração das alterações no capital póprio, a demonstração dos fluxos de caixa relativos ao ano findo naquela data, e o anexo às demonstrações financeiras que inclui um resumo das políticas significativas”, dizem os Auditores  CRC, SROC  – o Revisor Oficial de Contas.

Na opinião deste auditor, as demonstrações financeiras da Parpública, apresentam de “forma verdadeira e apropriada”, a posição financeira da Parpública.

No entanto as contas são aprovadas como uma ênfase. “A situação de crise de saúde pública que se vive nesta data em Portugal e no mundo irá seguramente provocar impactos sobre toda a economia, e portanto também sobre todas as empresas participadas e sobre a holding, os quais, são, nesta data, ainda impossíveis de caracterizar e quantificar, embora não se antecipe qualquer situação em que possa estar em causa a preservação dos principais equilíbrios da generalidade das empresas do Grupo Parpública e, muito menos, a sua continuidade”, diz a CRC – Colaço, Rosa, Coelho & Associados.

“No entanto, o acrescido nível de incerteza quanto ao futuro decorrente desta situação, implica a necessidade de reforçar todos os mecanismos de acompanhamento das participadas por parte da holding de modo a assegurar uma resposta atempada e eficaz a eventuais dificuldades, o que já foi feito”, concluem.

A Parpública é dona da posição do Estado na TAP que foi reforçada para 72,5% da TAP a troco do pagamento de 55 milhões de euros a David Neelman e também da Efacec, que acaba de ser nacionalizada.

 

Ler mais
Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários