Augusto Baganha e restante direção do IPDJ vão ser demitidos pelo Governo

Processo está em andamento e será anunciado no início de setembro através de um despacho a publicar em Diário da República, onde serão relatados os motivos para a substituição do atual conselho diretivo do instituto composto por presidente, vice-presidente e dois vogais.

O Governo prepara-se para demitir Augusto Baganha, presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), bem como a restante direção, noticia o jornal online “Maisfutebol”. O despacho será publicado em Diário da República já no próximo mês de setembro.

No documento serão apresentadas as razões para a mudança do conselho diretivo do IPDJ formado por presidente, vice-presidente e dois vogais. De acordo com o “Maisfutebol”, a hipótese para a exoneração da direção liderada Augusto Baganha, apareceu com a criação da Autoridade Nacional contra a Violência no Desporto, que vai esvaziar algumas competências atuais do IPDJ.

A presença de Augusto Baganha na lista da comissão de honra de José Maria Ricciardi, candidato a presidente do Sporting Clube de Portugal, não terá caído bem ao Governo, mas Augusto Baganha já desmentiu a informação, dizendo que não integra a lista de membro da comissão e que a própria candidatura de Ricciardi já corrigiu a informação.

No site da candidatura, o nome de baganha já não consta.

Segundo o “Maisfutebol”, enquanto presidente do IPDJ, Augusto Baganha tem sido alvo de críticas, sobretudo com a passividade do órgão em relação às medidas a aplicar às claques ilegais de futebol.

Recomendadas

Fórmula 1 quer corridas com zero emissões poluentes até 2030

O plano da Federação Internacional Automóvel (FIA) passa por duas fases distintas: a primeira até 2025, onde a entidade quer que as corridas se tornem mais sustentáveis e depois até 2030 a neutralidade total ao nível do carbono.

Louis Saha: “Premier League pode perder talento para Espanha e Itália por causa do Brexit”

O antigo avançado do Manchester United olha com pessimismo para a saída do Reino Unido da União Europeia e tem dificuldade em aceitar que este processo não vá causar mossa à melhor liga de futebol do mundo.

Adidas vai fechar duas fábricas operadas por robôs em 2020

Anunciadas para aproximar os produtos aos mercados principais da marca, as fábricas da Alemanha e dos Estados Unidos, vão fechar após quatro anos de funcionamento. A Reuters aponta que o encerramento poderá dever-se aos custos terem superado o previsto.
Comentários