Aumento de capital da EDP não anima investidores. PSI-20 encerra no ‘vermelho’

O PSI-20 fecha a sessão de hoje a desvalorizar 0,25% para 4.362,62 pontos à boleia da EDP que desvaloriza 0,73% depois de ter completado o aumento de capital que vai financiar a compra da espanhola Viesgo.

EDP

O principal índice bolsista português encerrou a sessão desta sexta-feira em terreno negativo impulsionada pela EDP, num dia em que energética completa aumento de capital de 1,02 mil milhões, com procura de 256% da oferta. Assim, o PSI-20 fecha a sessão de hoje a desvalorizar 0,25% para 4.367,31 pontos a contrariar as principais praças europeias.

A EDP, que arrancou esta manhã em alta, fecha a perder 0,73% para 4,36 euros. A empresa de António Mexia anunciou esta sexta-feira que o aumento de capital de 1,02 mil milhões, lançado para ajudar a financiar a compra da espanhola Viesgo, foi subscrito na totalidade, com a procura total a representar 256% da oferta.

A embarcar na mesma tendência negativa prossegue a Galp (-1,70% para 5,24 euros), a Ibersol (-1,13% para 5,24 euros), a Pharol (-1,21% para 0,1140 cêntimos) e a Nos (- 1,14% para 3,65 euros).

A contrariar a baixa maré, surge a Corticeira Amorim que valoriza 3,61% para 10,32 euros a par com a EDP Renováveis que sobe 0,72% para 14,00 euros e os CTT (+0,60% para 2,52 euros).

“No plano macroeconómico foi revelado que a produção industrial alemã aumentou mais que o esperado no mês de junho”, escreve o analista do Millenium Investment Banking.

No velho continente, só a bolsa Espanhola encerrou igualmente em terreno negativo desvalorizando 0,11% para 6,951 pontos. As restantes  — Ftsee100, DAX, EuroStx50 e CAC40 — encerraram a sessão com ganhos ligeiros —0,87% para 6,032, 0,66% para 12,675, 0,38% para 3,253 e 0,09% para 4,890 pontos, respetivamente.

“Já na China as exportações e importações demonstraram desempenhos diferentes, com as exportações a crescerem inesperadamente e as importações contraírem surpreendentemente no mês de julho. A economia norte-americana também esteve em foco depois de os dados divulgados demonstrarem que o país gerou mais emprego que o esperado no mês de julho. O escalar das tensões entre os EUA e a China marcaram a sessão de hoje, depois de o Presidente norte-americano ter assinado ordens executivas que proíbem residentes nos EUA de fazer negócios com as apps TikTok e WeChat, entrando em vigor em cerca de 45 dias”, conclui Ramiro Loureiro.

Ler mais

Recomendadas

BCE estuda revisão do programa de compra de ativos de emergência

Dois membros do Conselho de Governadores adiantaram ao Financial Times que o banco central irá debater na próxima reunião a duração do PEPP e se os critérios de flexibilidade deverão ser estendidos aos outros programas de compra de ativos.

Bolsa de Lisboa em queda pressionada pelo BCP e Galp

Do lado dos ganhos, a Corticeira Amorim lidera com uma subida de 1,63% para 11,20 euros, seguidos pela EDP que ganha 0,59% para 4,24 euros.
joão_leão_tomada_posse_1

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Na semana em que será conhecido o défice orçamental do primeiro semestre, o Plano de Recuperação e Resiliência vai também estar em destaque, com audiências do primeiro-ministro aos partidos e ao Conselho Económico e Social sobre o tema, antes do debate no Parlamento. A centrar atenções estarão os dados da execução orçamental de agosto, mas também à votação da constituição da Comissão de Inquérito ao Novo Banco.
Comentários