Australianos procuram ouro e prata na região do Minho

Fortescue Metals Group Exploration requereu a atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais, numa área denominada ‘Fojo’, localizada nos concelhos de Melgaço, Monção e Arcos de Valdevez.

A Fortescue Metals Group Exploration, uma empresa australiana especialista na produção de metal, requereu a atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de ouro, prata, chumbo, zinco cobre, lítio, tungsténio, estanho e outros depósitos minerais ferrosos e minerais metálicos associados.

O pedido foi publicado esta quarta-feira em Diário da República, com a pesquisa a ser levada a cabo numa área denominada “Fojo”, localizada no concelho de Melgaço, Monção e Arcos de Valdevez, numa área total de 74.764 quilómetros quadrados.

Esta é a segunda vez no mês de março que requerimentos para a pesquisa de ouro, prata e outros tipos de minerais são feitos em Portugal, depois de no passado dia 4, a “Matsa A Mubadala & Trafigura Company”, uma empresa de fundos de investimento sediada nos Emirados Árabes Unidos, ter apresentado o mesmo tipo de pedido para uma  área denominada como “Portel”, localizada nos concelhos de Portel, Vidigueira, Serpa, beja, Cuba, Alvito e Viana do Alentejo.

Relacionadas

Árabes querem procurar ouro, prata e cobre no Alentejo

A empresa de fundo de investimentos “Matsa A Mubadala & Trafigura”, dos Emirados Árabes Unidos apresentou um requerimento para encontrar vários tipos de metais em vários concelhos daquela região.
Recomendadas

Greves na Soflusa: Assunção Cristas propõe “abrir a travessia do Tejo” a empresas privadas

A líder do CDS-PP revela à “TVI” que esta é a solução para o “drama que 400 mil pessoas sofrem todos os dias para conseguir atravessar o Tejo”.

Faceapp: A aplicação do momento recolhe dados pessoais dos utilizadores

Quando a aplicação está instalada no dispositivo móvel, os criadores têm acesso a todos os movimentos efetuados pelo utilizador.

“Não existem poções mágicas para aproximar os cidadãos da política”

“Acreditamos, por isso, que estamos a fazer serviço público e que os deputados e deputadas muito apreciarão. Tornar o trabalho dos parlamentares acessível a todos e de uma forma mais acessível parece-nos recolher muito entusiasmo”, assume um dos investigadores do projeto.
Comentários