Autarquia de Melgaço convida todos os portugueses a irem para lá viver

“Queremos convidar os portugueses a virem viver em Melgaço. Estamos a criar um pacote ainda mais apetecível, para quem escolher Melgaço para Viver”. Uma campanha inovadora, que só terá maus resultados se todos os portugueses aceitarem o convite!

A pandemia provocada pelo novo coronavírus COVID-19 obrigou a novos hábitos e levou a que as pessoas repensassem o seu modo de viver e onde viver. O trabalho à distância está a levar os portugueses, e não só, a procurarem maior qualidade de vida e a abandonar os grandes centros. “É sob este paradigma que a autarquia melgacense lança agora a campanha ‘Viver em Melgaço’ e onde apresenta várias razões, imateriais e económicas, do porquê escolher Melgaço para viver”.

Porquê? “Porque Melgaço tem qualidade de vida. Tem qualidade de vida saudável. Tem mais tempo de qualidade. Tem uma paisagem única, deslumbrante e diversificada. Quem escolher Viver em Melgaço’ terá ainda diversos benefícios económicos como para habitação própria e permanente, apoios ao investimento, à natalidade, à primeira infância e às famílias numerosas”, refere a autarquia.

“Queremos convidar os portugueses a virem viver em Melgaço. Esta nova realidade demonstrou-nos novas formas de viver. O trabalho à distância está a levar os portugueses a procurarem maior qualidade de vida e a abandonar os grandes centros. Queremos mostrar que Melgaço é uma boa opção para viver. Queremos acolher mais habitantes”, refere o autarca, o socialista Manoel Batista.

E realça que “Melgaço tem condições excelentes. Sabemos que quem optar por viver em Melgaço vai encontrar aqui os serviços básicos necessários. A tudo isto acresce uma qualidade de vida saudável, muito diferente da das grandes áreas metropolitanas e uma paisagem única. Estamos a criar um pacote ainda mais apetecível, para quem escolher Melgaço para Viver… e contamos com o Governo para nos apoiar neste desígnio”.

A autarquia está a trabalhar no pacote de medidas, mas já tem algumas: isenção de taxas de urbanização e edificação para habitação própria e permanente para casais até aos 35 anos, para uma área bruta de construção de até 250 m2; não se aplica derrama sobre o IRC das empresas; disponível um fundo de apoio a micro-negócios (até 45 mil euros), o Melgaço Finicia, com parte do capital sem juros; apoios ao investimento específicos para territórios do interior; medidas de apoio à natalidade, à primeira infância, às famílias numerosas e outros apoios inseridos no Plano de Desenvolvimento Sustentável e Solidário (PDSS).

A campanha é assim lançada a 10 milhões de pessoas – todos os portugueses exceto os que já vivem na região.

Ler mais
Recomendadas

Agentes da PSP exigem pagamento de retroativos de atualização salarial ocorrida em 2010

A ASPP recebeu esta semana a sentença do Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa que, à semelhança do do Porto, veio dar razão aos dois mil agentes principais da PSP, penalizados entre março de 2010 e dezembro de 2011 na então nova tabela remuneratória.

PremiumEduardo Lourenço: Praticamente 100 anos de reflexão

Desde há muito um dos intelectuais mais consensuais, o autor de livros como “O Labirinto da Saudade” distinguia-se pela serenidade com que, vivendo longe do país, pensava Portugal e aquilo que é ser português. Morreu aos 97 anos, no dia da Restauração.

Covid-19: Ordem atribui prémio a advogado que interpôs ação contra medidas nos Açores

A Ordem dos Advogados atribuiu o Prémio Angelo dAlmeida Ribeiro-2020 a Pedro Bettencourt Gomes, promotor, em maio, de um ‘habeas corpus’ (pedido de libertação imediata) de um “cliente arbitrariamente detido nos Açores” num caso ligado à pandemia de covid-19.
Comentários