Autárquicas: IL vai reunir-se com Moedas e quer PSD e CDS libertos de “hábitos socialistas”

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou esta semana o ex-comissário europeu Carlos Moedas como candidato à Câmara de Lisboa nas próximas autárquicas, um “nome forte”, segundo o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, e que reuniu “um sólido consenso entre as direções do CDS e do PSD”.

Cristina Bernardo

A Iniciativa Liberal (IL) vai reunir-se com o candidato à Câmara de Lisboa Carlos Moedas para explorar eventuais “pontos de convergência”, avisando que não basta libertar a autarquia do PS, mas também que PSD e CDS deixem “hábitos socialistas”.

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou esta semana o ex-comissário europeu Carlos Moedas como candidato à Câmara de Lisboa nas próximas autárquicas, um “nome forte”, segundo o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, e que reuniu “um sólido consenso entre as direções do CDS e do PSD”.

Numa posição oficial enviada hoje à agência Lusa, os liberais referem que “depois da comunicação social ter anunciado a candidatura de Carlos Moedas”, este contactou o presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo, para agendar uma “primeira conversa para explorar eventuais pontos de convergência”, encontro esse que ficou marcado para o início da semana.

“Como sempre tem feito, a IL não subalterniza as suas ideias em prol de cargos ou ilusórios sucessos eleitorais. Não basta libertar Lisboa do socialismo do PS, é preciso também que PSD e CDS se libertem dos seus hábitos, muitas vezes também, socialistas”, avisa, segundo a mesma nota.

Os liberais reafirmam que a sua estratégia eleitoral autárquica passa por “apresentar candidaturas próprias”, motivo pelo qual as exceções implicam “uma análise ponderada” do partido.

“Essa análise passa pela verificação, em conjunto com o núcleo da IL de Lisboa, de eventuais pontos comuns a nível político e no plano programático que se insiram na defesa do projeto liberal da lL, numa perspetiva de longo prazo de que não abdicamos”, explica.

Na quinta-feira, aquando do anúncio de Carlos Moedas após uma reunião com o antigo comissário europeu na sede do partido, Rui Rio considerou que esta candidatura a “melhor solução” para a Câmara Municipal de Lisboa, defendendo que o partido não está obrigado a vencer na capital, mas que tinha de apresentar “uma candidatura forte”.

No dia seguinte, também após uma reunião com Moedas, o presidente do CDS-PP admitiu a abertura a outros partidos, como a Iniciativa Liberal, da coligação autárquica com o PSD em Lisboa, mas ressalvou que essa possibilidade seria avaliada “mais adiante”.

Nas últimas autárquicas, em 2017, PSD e CDS-PP concorreram separados à Câmara Municipal de Lisboa, numas eleições ganhas pelo socialista Fernando Medina, que obteve 42% dos votos e perdeu a maioria absoluta na capital.

A então líder do CDS-PP Assunção Cristas ficou em segundo lugar, com 20,6% (perto de 52 mil votos), numa candidatura apoiada também por MPT e PPM e que elegeu quatro vereadores.

Nessa eleição, o PSD teve como candidata a então deputada Teresa Leal Coelho, que ficou em terceiro lugar, com 11,2% (correspondentes a pouco mais de 28 mil votos), elegendo dois vereadores.

Ler mais
Relacionadas

Carlos Moedas: o ex-comissário europeu que quer ‘tirar’ Lisboa a Fernando Medina

Entrou tarde na política, mas chegou rapidamente ao Governo. Filho de um comunista convicto, fez carreira na área financeira e de investimentos. Destacou-se por coordenar a estrutura de ligação com a ‘troika’, mas foi o cargo de comissário europeu que lhe veio dar ainda mais notoriedade. Carlos Moedas é a escolha do PSD/CDS para a disputar a Câmara de Lisboa nas autárquicas deste ano.

Autárquicas: CDS-PP diz que Carlos Moedas é “um nome forte” para lidar “coligação de centro-direita” em Lisboa

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, acredita que o ex-comissário europeu é “capaz de libertar os lisboetas do socialismo e oferecer à cidade uma mudança para o futuro”, impedindo uma nova vitória do PS nas eleições deste ano.

IL diz que apoio a Carlos Moedas tem de ser feito com ponderação: “Não é nesta primeira conversa que tudo será falado”

A conversa com Carlos Moedas está agendada para o início da próxima semana. As taxas municipais vão ser decisivas quanto ao apoio dos liberais ao candidato à Câmara de Lisboa. “Não estejam à espera da Iniciativa Liberal para manter um volume de taxas e impostos municipais que não fazem sentido”, aponta o partido.
Recomendadas

Orçamento dos Açores para 2021 aprovado na generalidade

O primeiro Orçamento submetido pelo Governo Regional dos Açores de coligação PSD/CDS-PP/PPM teve o voto contra do BE e do PS.

Tribunal de Contas deteta “persistentes vulnerabilidades” no combate aos incêndios rurais

Entre diversas falhas e atrasos identificados, a auditoria do Tribunal de Contas alerta que se aproxima o termo do contrato vigente em relação ao SIRESP e se antevêem alterações no modelo tecnológico e de gestão que urge definir.

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.
Comentários