Autárquicas: Ventura diz que eleições vão marcar “início do fim do reinado de António Costa”

“Um dia, António Costa disse: se tiverem força derrubem o meu Governo. Pois eu aqui estou para dizer que, cedo ou tarde, o teu Governo, António Costa, há de cair e nós, portugueses de bem, voltaremos a governar o país que ainda nos pertence”, defendeu o líder do Chega.

José Sena Goulão/Lusa

As eleições autárquicas de 26 de setembro vão assinalar “o início do fim do reinado de António Costa”, argumentou o presidente do Chega, num comício marcado por protestos de algumas dezenas de pessoas.

“Enquanto nos chamam fascistas, racistas e extremistas, há um Partido Socialista (PS) que fica a sorrir e a rir, porque continua a gamar todos os dias”, afirmou o líder do Chega, André Ventura, num comício em Moura, no distrito de Beja, na sexta-feira à noite.

Mas “estas eleições do dia 26 [de setembro], aqui em Moura e aqui no distrito de Beja, vão marcar o início do fim do reinado de António Costa em Portugal”, afiançou.

Na sexta-feira à noite, perante algumas centenas de apoiantes do partido, que o aplaudiram e gritaram o seu nome, mas também uma contramanifestação de dezenas de pessoas, que o apuparam e chamaram de “racista” e “fascista”, Ventura mostrou-se confiante nos resultados das próximas eleições autárquicas.

“Um dia, António Costa disse: se tiverem força derrubem o meu Governo. Pois eu aqui estou para dizer que, cedo ou tarde, o teu Governo, António Costa, há de cair e nós, portugueses de bem, voltaremos a governar o país que ainda nos pertence”, defendeu o líder do Chega.

Durante a intervenção de André Ventura, a PSP, que antes do comício já estava visível em acessos à cidade e na zona onde este iria decorrer, conduziu os manifestantes para longe da praça, sem conflitos, acabando os participantes no protesto por dispersar.

Questionada pela agência Lusa, fonte da PSP justificou que esta ação, levada a cabo por elementos da Unidade Especial de Polícia, que reforçaram o restante dispositivo, visou acabar com “uma contramanifestação” que “não estava autorizada”.

No palco, em que apontou também a luta contra a corrupção como “bandeira” eleitoral, André Ventura prometeu que “não haverá gritos, nem manifestações, nem haverá multidões” que impeçam o partido “de lutar por Portugal”.

“E aqueles que pensavam que nunca chegaríamos aqui ao distrito de Beja, que pensavam que isto era só lá longe, em Lisboa, e que era apenas a voz de um homem só, desenganem-se. Nós vamos estar no país inteiro” nas próximas autárquicas, afirmou.

O líder do Chega, que é o cabeça de lista do partido à Assembleia Municipal de Moura, disse acreditar na vitória nos órgãos autárquicos deste concelho alentejano, nas próximas autárquicas, até para fazer deste município um exemplo para o país.

“Porque estes homens e mulheres que aqui vivem merecem que se dê um exemplo daquilo que será a governação do Chega em todo o país. Moura será o nosso primeiro caminho para a vitória que será nossa no governo de Portugal, mais cedo do que eles esperam”, defendeu.

O comício do Chega em Moura serviu para apresentar os oito candidatos autárquicos às câmaras municipais no distrito de Beja, que tem um total de 14 concelhos.

Cidália Figueira (Moura), Pedro Pinto (Beja), Ana Moisão (Serpa), Paulo Santos (Mértola), Nicholas Almeida (Aljustrel), Octávio Costa (Ferreira do Alentejo), Rui Areias (Odemira) e Idalete Brito (Ourique) são os cabeças de lista do partido.

Recomendadas
medina_candidatura

CNE afasta irregularidade na inclusão de presidentes de institutos públicos na comissão de honra de Medina

Presidentes da Agência para a Modernização Administrativa, do Instituto Português do Desporto e Juventude e da Fundação INATEL surgem identificados com esses cargos na listagem de apoiantes da coligação Mais Lisboa. Membros do Governo optaram pelas respetivas profissões ou cargos partidários, “faltando” apenas cinco dos atuais ministros na comissão de honra de Fernando Medina.

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.
Comentários