Autoeuropa com queda de produção de 70 mil veículos desde 2020

A administração da fábrica de Palmela, no distrito de Setúbal, informa os colaboradores de que o dia 17 de junho se mantém como dia normal de produção, e que a suspensão anunciada terá início em 18 de junho, sendo a produção retomada às 00:00 do dia 28 de junho.

A fábrica de automóveis da Autoeuropa, em Palmela, teve uma quebra de produção de 70 mil automóveis desde 2020, devido aos impactos da pandemia de covid-19 e à falta de componentes para a produção de veículos.

“Desde o início de 2021 foram já cancelados 57 turnos de trabalho devido à falta de semicondutores e ao encerramento das escolas em janeiro, o que corresponde a cerca de 17.340 carros perdidos”, refere um comunicado interno da empresa a que a agência Lusa teve acesso.

“Adicionando o que não se produziu em 2020, as perdas devido à pandemia somam já cerca de 70.000 carros”, acrescenta o documento.

A Autoeuropa, com mais de 5.000 colaboradores, dos quais 98% com vínculo permanente, produziu em 2020 um total de 192.000 automóveis e 20 milhões de peças para outras fábricas do grupo alemão, que representam 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) e 4,7% das exportações portuguesas.

O T-Roc e o MPV são os dois modelos de automóveis produzidos atualmente na fábrica da Volkswagen em Palmela.

No mesmo comunicado, a administração da fábrica de Palmela, no distrito de Setúbal, informa os colaboradores de que o dia 17 de junho se mantém como dia normal de produção, e que a suspensão anunciada terá início em 18 de junho, sendo a produção retomada às 00:00 do dia 28 de junho.

A par das paragens forçadas ou redução da atividade devido à covid-19, a fábrica da Autoeuropa, a exemplo do que acontece em toda a indústria automóvel, tem-se deparado com a falta de semicondutores, que também resulta em grande parte do elevado consumo de produtos eletrónicos em tempo de pandemia.

Recomendadas

Comissão de inquérito responsabiliza Governo na venda à Lone Star

Os deputados da comissão de inquérito ao Novo Banco aprovaram hoje várias alterações ao relatório que passam a responsabilizar também o Governo socialista na decisão de venda à Lone Star, apesar dos votos contra do PS.

MDS é o único grupo ibérico no top 250 mundial das empresas de corretagem de seguros

A multinacional liderada por José Manuel Dias da Fonseca ocupa a 141ª posição no ranking mundial referente a 2020, com uma receita estimada em 79,4 milhões de dólares, refletindo o desempenho nos vários mercados onde está presente a nível global.

Aprovada pelo PS, PCP e BE conclusão no relatório da CPI que diz que Resolução do BES foi “Fraude Política”

Porém, foi aprovada uma proposta do PSD que recorre a uma citação do antigo vice-governador do Banco de Portugal (BdP) Pedro Duarte Neves na comissão de inquérito dizendo que havia regras de “usar o mínimo dos fundos públicos que sejam precisos”.
Comentários