Autoeuropa reduz produção em sete mil carros até ao final do ano

Por causa disso, a empresa irá ter vários dias de paragem em dezembro, segundo o calendário de produção previsto até ao fim do ano, divulgado pela comissão de trabalhadores.

Luis Viegas

A Autoeuropa deverá produzir menos sete mil veículos até ao final do ano, devido ao impacto da pandemia de covid-19, de acordo com um comunicado da Comissão de Trabalhadores (CT) do grupo.

“A CT foi informada pela empresa de uma significativa redução de produção para o ano de 2020, a qual sofreu uma quebra na ordem dos 7 mil carros, situação que nos merece a maior atenção e preocupação”, lê-se na mesma nota.

Por causa disso, a empresa irá ter vários dias de paragem em dezembro, segundo o calendário de produção previsto até ao fim do ano, divulgado pela CT.

Assim, a empresa irá reduzir a produção dos 199 mil veículos previstos para um pouco mais de 191 mil, de acordo com informação divulgada à Lusa pela CT.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da Autoeuropa disse que “esta paragem se deve ao impacto que a pandemia está a ter nos principais mercados da empresa, especialmente no europeu”, à imagem do que acontece “no restante setor automóvel”.

O grupo não quis fazer comentários sobre valores de redução de produção.

No mesmo comunicado, a CT referiu que, ao contrário da sua proposta “para que a paragem fosse contínua, tendo em conta o contexto pandémico que vivemos”, a empresa optou por outro modelo para a operação até ao final do ano “alegando razões de natureza logística”.

“A CT continua a acompanhar a previsão de volume de produção não só para 2020, mas também o plano de 2021, informando os trabalhadores sempre que surja alguma informação adicional”, lê-se na mesma nota.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários