Autoeuropa vai reativar linha ferroviária para transportar automóveis para o porto de Setúbal

Com esta medida, a Autoeuropa diz que vai reduzir em 400 toneladas a emissão de dióxido de carbono ( CO2) por ano, o equivalente a menos 80% de CO2 por dia, além de reduzir o tráfego rodoviário para o porto de Setúbal.

A Volkswagen Autoeuropa reativou hoje, dia 6 de setembro, a utilização de uma linha ferroviária para os transportar os automóveis produzidos na unidade industrial de Palmela para o porto de Setúbal.

Com esta medida, a Autoeuropa diz que vai reduzir em 400 toneladas a emissão de dióxido de carbono ( CO2) por ano, o equivalente a menos 80% de CO2 por dia, além de reduzir o tráfego rodoviário para o porto de Setúbal.

Para o próximo ano, a Auteuropa espera transportar através desta linha ferroviária cerca de 68% da produção total da fábrica de Palmela.

“A Volkswagen Autoeuropa ativou hoje o comboio para o transporte dos modelos produzidos para o Porto de Setúbal. Esta solução vai permitir poupar 400t de CO2 por ano, o que representa menos 80% de emissões de CO2 em comparação com o transporte por camião”, revela um comunicado da Autoeuropa.

De acordo com esse documento, “a reativação da ferrovia será feita em duas fases: durante a primeira (agosto a dezembro de 2019), uma composição fará o transporte diário de 250 carros, retirando assim 32 viagens de camiões do já congestionado percurso rodoviário para o porto de Setúbal; em 2020, prevê-se um aumento para duas composições (500 unidades/dia), o que significa que 68% do volume de
produção da fábrica de Palmela será transportado por via ferroviária, com o
restante a ser efetuado por transporte rodoviário”.

Segundo Rui Baptista, diretor da área de Logística da Volkswagen Autoeuropa, o transporte ferroviário é o caminho a seguir: “A ferrovia tem um impacto no ambiente substancialmente menor do que a rodovia e a médio prazo é financeiramente mais competitiva”.

“O futuro da logística terá de ser cada vez mais sustentável, e não tenho dúvidas que este serviço responde a essa realidade”, defende.

O comunicado da Autoeuropa adianta que a Volkswagen Konzernlogistik responsável pela operação, desenvolveu o conceito com a Rodo Cargo, parceira logística deste projeto e que assegura
entre outras igualmente o atual transporte rodoviário para o porto de Setúbal.

Segundo António Oliveira, representante em Portugal da Volkswagen Konzernlogistik, “estamos muito satisfeitos com a implementação deste conceito não só pelo impacto ambiental positivo, mas também pelas melhorias gerais da operação de carga e descarga dos carros”.

A Volkswagen Autoeuropa recorda ainda que na semana passada apresentou o ‘Gigaliner’, uma solução pioneira no ‘cluster’ automóvel nacional que permite poupar 70 toneladas de CO2/ano na rota servida por este novo modelo de transporte.

A Autoeuropa sublinha que a marca Volkswagen está presente em mais de 150 mercados em todo o mundo e produz veículos em 14 países, acrescentando que a Volkswagen Autoeuropa é o maior investimento estrangeiro no país, sendo uma fábrica de automóveis multiproduto e multimarca.

A fábrica de Palmela fechou o ano de 2018 com 5.800 colaboradores e 223.200 unidades produzidas. Neste momento, em Palmela, são produzidos os modelos T-Roc, Sharan e SEAT Alhambra.

Ler mais
Relacionadas

Portugal vai ter uma nova fábrica de automóveis: investimento de 300 milhões em Estarreja

O investimento é da empresa privada Ineos, multinacional de produtos químicos do Reino Unido, que criou a empresa portuguesa ‘Amazing Wheels’ em janeiro deste ano. A companhia vai produzir jipes com motores da BMW.

“Indústrias nacionais de materiais de construções têm uma produção equivalente à Autoeuropa”

Gonçalo Salazar Leite, presidente da ATIC – Associação Técnica da Indústria de Cimento, realça que “em Portugal, temos esses custos relacionados com os direitos de emissão e com o custo da energia, por muito grande que seja a nossa eficiência energética”.
Recomendadas

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

Coca-Cola Portugal nomeia primeira diretora-geral de nacionalidade portuguesa

Sandra Vera-Cruz junta-se a Rui Serpa que, em 2018, assumiu funções de diretor-geral na Coca-Cola European Partners, como os únicos portugueses com funções de chefia numa das maiores empresas ligadas ao setor das bebidas a nível mundial.

Telefónica aposta mais de três mil milhões na La Liga até 2022

Números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.
Comentários