Avaliação das casas permaneceu nos 1.128 euros em setembro

Em termos homólogos este valor representa uma desaceleração, tendo a taxa de variação abrandado de 7,0% em agosto para 5,8% em setembro. Número de avaliações bancárias foi de cerca de 24 mil, mais 3,0% que no mesmo período do ano anterior.

O valor médio da avaliação das casas manteve-se em setembro o mesmo registo verificado no mês anterior de 1.128 euros\m2, de acordo com o Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação (IABH) do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgado esta quarta-feira, 28 de outubro.

O maior aumento foi registado na Região Autónoma da Madeira (3,2%), enquanto a maior descida foi verificada no Centro (1,4%). Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor médio das avaliações cresceu 5,8%, registando-se a variação mais significativa na região Norte (7,4%) e uma única diminuição, na Região Autónoma da Madeira (0,2%).

Apartamentos
Ao nível dos apartamentos o valor médio da avaliação bancária foi de 1.233 euros/m2, tendo aumentado 7,1%
relativamente ao mês homólogo. O valor mais elevado foi observado no Algarve (1.507 euros/m2) e o mais baixo no
Alentejo (842 euros/m2). O Norte apresentou o crescimento mais expressivo (8,7%) e a Região Autónoma dos Açores a única descida (2,4%).

Face ao mês anterior, o valor da avaliação desceu 0,1%, tendo a Região Autónoma da Madeira apresentado a maior subida (3,4%) e a Região Autónoma dos Açores a descida mais acentuada (-4,5%). O valor médio para apartamentos de tipologia T2 subiu 1 euro, para 1.253 euros/m2, tendo os T3 descido 4 euros, para 1.120 euros/m2. Em conjunto, estas tipologias representaram 81,0% das avaliações de apartamentos realizadas em setembro.

Moradias
Em relação às moradias o valor médio da avaliação foi de 953 euros/m2 em setembro, o que representou um acréscimo de 4,3% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (1.548 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.528 euros/m2), tendo o Centro registado o valor mais baixo (797 euros/m2).

A Região Autónoma dos Açores apresentou o maior crescimento (9,7%), sendo que a maior descida ocorreu na Região Autónoma da Madeira (2,3%). Em relação ao mês anterior, a Região Autónoma da Madeira apresentou o maior aumento (3,3%) tendo-se verificado a descida mais acentuada no Algarve (1,8%).

Face ao mês de agosto, os valores das moradias de tipologia T2, T3 e T4, foram responsáveis por 58,4% das avaliações, tendo atingido os 815 euros/m2 (menos 8 euros), 856 euros/m2 (menos 6 euros) e 952 euros/m2 (mais 6 euros), respetivamente.

Já o número de avaliações bancárias foi 23.711, mais 3,0% que no mesmo período do ano anterior. Destas, 14.837 foram de apartamentos e 8.874 de moradias. Em comparação com o mês de agosto realizaram-se mais 2.052 avaliações.

Ler mais
Recomendadas

Avaliação bancária às casas fixou-se nos 1.131 euros por metro quadrado em outubro

O valor mediano do metro quadrado cresceu três euros de setembro para outubro, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística divulgados esta sexta-feira. Madeira verificou o maior aumento dos valores atribuídos pela banca aos imóveis.

Alojamento local com quebras de faturação superiores a 75% no segundo trimestre

Esta é uma das conclusões do inquérito realizado a 868 titulares e gestores de AL do país, promovido pelo DINÂMIA’CET – Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica e o Território, do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Estrangeiros responsáveis por 80% da procura por casas na Comporta

Investidores internacionais impulsionam imobiliário de luxo na Comporta. Procura deverá aumentar no próximo ano com a retoma do turismo a partir do segundo trimestre de 2021, estima a Engel & Völkers.
Comentários