Avaliação das casas sobe para 1.321 euros/m2 em dezembro e fixa novo recorde

Este valor representa um aumento de nove euros face ao mês anterior. O valor médio da avaliação anual situou-se nos 1.286 euros/m2 , representando um crescimento de 7,9% relativamente ao ano anterior.

O valor médio da avaliação das casas registou um novo recorde máximo, ao fixar-se nos 1.321 euros/m2 em dezembro de 2019, mais nove euros do que no mês anterior, segundo os dados do Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta terça-feira, 28 de janeiro.

A nível regional, a maior subida face ao mês anterior registou-se na Região Autónoma dos Açores (2,3%). A única descida foi observada na Região Autónoma da
Madeira (-1,2%). Em comparação com o período homólogo, o valor médio das avaliações cresceu 8,3%. A taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se no Algarve (10,0%) e a menor foi registada na Região Autónoma da Madeira (5,4%).

Apartamentos
No mês em análise, o valor médio da avaliação de apartamentos foi de 1.408 euros/m2 aumentando 9,7% relativamente ao mês homólogo de 2018. O valor
mais elevado foi observado na região do Algarve (1.755 euros/m2) e o mais baixo no Centro (1.112 euros/m2). Comparando com novembro, o valor para apartamentos subiu 0,4%, tendo a Região Autónoma dos Açores apresentado a maior subida (3,6%) e a Região Autónoma da Madeira a menos acentuada (0,1%).

A nível homólogo, a Região Autónoma dos Açores apresentou o crescimento mais significativo (13,8%) e a Região Autónoma da Madeira o mais baixo (6,6%).
O valor médio da avaliação para apartamentos de tipologia T2 subiu 12 euros, para os 1.456 euros/m2, tendo os T3 subido cinco euros, para os 1.312 euros/m2. Globalmente estas tipologias representaram 83,2% das avaliações de apartamentos realizadas em dezembro.

Moradias
O valor médio da avaliação das moradias foi de 1.172 euros/m2 em dezembro, o que representou uma subida de 4,7% em relação mesmo mês do ano
anterior. Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (1.696 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.644 euros/m2), tendo o Centro registado o
valor mais baixo (1 009 euros/m2).

Comparando com novembro, a Região Autónoma dos Açores apresentou o maior aumento (2,0%), enquanto a Região Autónoma da Madeira registou a única descida (2,9%). Em termos homólogos, a Região Autónoma dos Açores apresentou o maior crescimento (9,5%) e o menor ocorreu na Região Autónoma da Madeira (3,6%).

Analisando o mês anterior, os valores dos T3 e T4, tipologias responsáveis por 48,3% das avaliações, atingiram os 1.095 euros/m2
e 1.171 euros/m2 (menos cinco euros e mais 24 euros, respetivamente). Já as moradias T5 ou superior, com 37,4% das avaliações de moradias em dezembro, subiram 6 euros, para 1.268 euros/m2.

Análise anual
Em termos anuais o valor médio de avaliação das casas em 2019 fixou-se nos 1.286 euros/m2 , o que se traduziu numa subida de  de 7,9% relativamente ao ano anterior. Os alojamentos, no ano de 2019, registaram um aumento de 9,5% nos apartamentos e 5,2% nas moradias, para valores médios de avaliação de 1.368 euros/m2 e de 1.152 euros/m2 (1.249 euros/m2 e 1.095 euros/m2 em 2018, respetivamente.

Ler mais
Recomendadas

Será que deve comprar uma segunda habitação para arrendamento?

Comprar uma segunda habitação pode ser um investimento viável, seja pelo potencial rendimento do arrendamento como pela venda posterior por um valor mais alto. No entanto, deve ter em conta algumas considerações antes de tomar esta decisão. Descubra tudo neste artigo.

Arrendamento Acessível: Guia para compreender o Programa de A a Z

Em 2019 entrou em vigor o Programa de Arrendamento Acessível (PAA), que visa facilitar o arrendamento, disponibilizando uma oferta alargada de habitações a preços mais baixos do que os praticados no mercado. Fique a conhecer tudo sobre esta iniciativa.

“IFRRU 2020 já provou que respondia a uma necessidade do mercado”, refere secretária de Estado da Habitação

Ana Pinho fez um balanço dos primeiros dois anos da operação deste programa de habitação em Portugal, deixando o desejo de que no próximo o IFRRU 2020 seja “o principal instrumento de financiamento da reabilitação para a habitação acessível”.
Comentários