Balões mais caros? Preço do hélio disparou mais de 50% no espaço de um ano

Os preços do hélio dispararam no mercado devido à falta deste gás que é usado para encher balões, na medicina, no mergulho ou na indústria aeroespacial.

O gás hélio é usado na medicina, balões meteorológicos, mergulho e na aviação. O seu uso mais conhecido é para encher os balões de festas que fazem as alegrias das crianças. Mas a falta deste gás para dar resposta à procura ameaça provocar um aumento dos preços. Os preços subiram entre 50% a 100%, segundo um especialista entrevistado pela BBC

Desde que os Estados Unidos organizaram um leilão em agosto de 2018 que os preços do gás hélio têm vindo a subir. Apesar de não ter um preço generalizado como acontece com o petróleo ou o gás natural, o hélio é um bem precioso e fundamental para várias atividades.

Os Estados Unidos possuem a maior reserva de hélio do mundo e, consequentemente, a regularidade com que agendam leilões influencia diretamente o preço deste gás a nível mundial. Apesar de ter vindo a realizar leilões anualmente desde 2013, o governo dos Estados Unidos já anunciou que o próximo se irá realizar em 2021, fazendo com a especulação sobre o preço aumente significativamente, segundo a BBC.

Phil Kornbluth, fundador da ‘Kornbluth Helium Consulting’, empresa especializada em consultadoria comercial de hélio a nível global, afirma que o preço do gás “subiu de forma drástica” num curto período de tempo, não havendo perspetiva de quando se irá estabilizar.

Neste leilão específico, os preços subiram 135%, com o especialista a prever que esta subida vai ser passada para os consumidores. “Não foi muito difícil aos maiores comercializadores passarem este aumento para os seus clientes, o que afetou os preços em todo o mundo”.

Kornbluth afirma também que “o preço do hélio terá subido entre 50% a 100%, dependendo de onde e a quem é comprado”. Aproveita também para explicar que como o hélio não é regulado da mesma forma que o petróleo e o gás natural, o contexto da compra e venda influencia diretamente o preço, que pode ser mais baixo ou mais alto consoante a localização.

Os vários usos do hélio podem resumir-se a quatro ações importantes, a medicina, o mergulho, aviação, e o entretenimento. Na medicina, o uso de hélio para a análise de TACs é absolutamente fundamental, no mergulho, possibilita respirar debaixo de água através da mistura com oxigénio, no entretenimento, o gás é utilizado para encher balões. O gás também é usado nos dirigíveis  e na indústria aeroespacial para limpar os motores dos foguetões e para arrefecer os instrumentos.

Entre os afetados encontram-se os comerciantes de rua, e os organizadores de eventos que utilizam balões a hélio para decorar espaços. Como este tipo de comerciantes têm de adquirir o hélio através de revendedores, a sua posição na hierarquia de compra e venda faz com que estes sejam os mais afetados pelas oscilações nos preços.

O dono de uma loja que vende balões em Londres constata este aumento. “Os preços sobem sem parar”, disse Steven Durnford à BBC, dono da Balloons of London.

Ler mais

Recomendadas

5G: Começou hoje a segunda fase da migração das frequências da TDT

A segunda fase da alteração da rede de emissores da televisão digital terrestre (TDT) arrancou esta segunda-feira, 24 de fevereiro, em Vila Nova de São Bento, no concelho de Serpa, um passo essencial para a implementação da quinta geração móvel (5G).

EUA: coronavírus não prejudica, por enquanto, a ‘phase 1’ do acordo comercial com a China

O secretário do tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, reconhece que o coronavírus pode atrasar o início das negociações sobre o aprofundamento do acordo comercial com Pequim, mas garantiu não estar preocupado com esse cenário.
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

BE quer subsídio de alimentação da Função Pública como referência para o setor privado

A medida consta de um projeto de lei apresentado pelos bloquistas, que visa que o subsídio diário de alimentação dos trabalhadores do setor privado não seja inferior ao que definido para os trabalhadores da Administração Pública.
Comentários