Balsemão cria “Encontros de Cascais”, um grupo de Bilderberg à portuguesa

O fundador do grupo Impresa terá convidado opara o grupo de pensamento estratégico líderes e empresário como Paula Amorim, António Ramalho, Leonor Beleza, Carlos Carreiras, entre outros.

O ex-primeiro ministro e empresário Francisco Pinto Balsemão criou um fórum de pensamento estratégico chamado “Encontros de Cascais”, um grupo de Bilderberg à portuguesa, revela o “Público” na edição desta sexta-feira, 9 de novembro.

O fundador do grupo Impresa saiu do conselho diretor do verdadeiro grupo de Bilderberg em 2015 e optou por fundar um clube restrito semelhante no país, cuja primeira sessão acontece ainda em novembro, de acordo com a mesma pública

Segundo adiantou fonte próxima de Francisco Pinto Balsemão ao jornal, figuras como o CEO da Impresa, Francisco Pedro, a presidente do grupo Amorim, Paula Amorim, as presidentes da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Champalimaud, Isabel Mota e Leonor Beleza, estão entre os convidados.

Também António Ramalho, Carlos Gomes da Silva, Vasco de Mello, Pedro Penalva, Carlos Carreiras e António Lagartixo figuram na lista de personalidades.

António Mexia não foi à Bilderberg (Durão e Arnaut não faltaram)

Bilderberg: o clube mais secreto do mundo está de olho em Donald Trump

Ler mais
Recomendadas

Motoristas e patrões não chegam a acordo. Governo diz que tentou resolver conflito pelo diálogo

“Obviamente que não esperávamos este desfecho”, admitiu o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos. O governante disse esta terça-feira que uma das partes quis definir resultados antes da negociação.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Sindicato dos motoristas de matérias perigosas anuncia novas formas de luta amanhã

O SNMMP contraria associação patronal: “Estamos dispostos a partir para um processo de mediação”. “Possível paralisação” está em cima da mesa.

Antram: “O sindicato dos motoristas de matérias perigosas recusa mediação”

O porta-voz da associação patronal, André Matias de Almeida, afirma que os motoristas de matérias perigosas querem “impor à cabeça aumentos”. “Não é assim que os processos se passam”, disse.
Comentários