Balsemão cria “Encontros de Cascais”, um grupo de Bilderberg à portuguesa

O fundador do grupo Impresa terá convidado opara o grupo de pensamento estratégico líderes e empresário como Paula Amorim, António Ramalho, Leonor Beleza, Carlos Carreiras, entre outros.

O ex-primeiro ministro e empresário Francisco Pinto Balsemão criou um fórum de pensamento estratégico chamado “Encontros de Cascais”, um grupo de Bilderberg à portuguesa, revela o “Público” na edição desta sexta-feira, 9 de novembro.

O fundador do grupo Impresa saiu do conselho diretor do verdadeiro grupo de Bilderberg em 2015 e optou por fundar um clube restrito semelhante no país, cuja primeira sessão acontece ainda em novembro, de acordo com a mesma pública

Segundo adiantou fonte próxima de Francisco Pinto Balsemão ao jornal, figuras como o CEO da Impresa, Francisco Pedro, a presidente do grupo Amorim, Paula Amorim, as presidentes da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Champalimaud, Isabel Mota e Leonor Beleza, estão entre os convidados.

Também António Ramalho, Carlos Gomes da Silva, Vasco de Mello, Pedro Penalva, Carlos Carreiras e António Lagartixo figuram na lista de personalidades.

António Mexia não foi à Bilderberg (Durão e Arnaut não faltaram)

Bilderberg: o clube mais secreto do mundo está de olho em Donald Trump

Ler mais
Recomendadas

Estes são os países mais ricos, saudáveis, felizes e seguros do mundo

Noruega, Nova Zelândia e Finlândia lideram o ranking do Índice de Prosperidade Global Anual mas Portugal também ficou (muito) bem classificado. Veja aqui a lista dos países mais prósperos do mundo.

Portugal é o segundo país da UE com estradas com mais qualidade

Portugal encontra-se no segundo posto entre os 28 Estados-membros, com 6,05 pontos (numa escala de 1 a 7), apenas atrás da Holanda (6,18 pontos), e à frente da França, que completa o “pódio” (5,96 pontos).

Criada nova associação de taxistas que conta com a Mytaxi entre os fundadores

APMobi – Associação Portuguesa para a Mobilidade surgiu com o objetivo de abordar de forma diferente o setor do táxi, embora não se afirme contra as associações já existentes, como a Antral e a FPT. “Queremos ser a voz dos que não se revêem nas críticas por falta de vontade de inovar e de melhorar o setor”, afirmaram os fundadores ao Jornal Económico.
Comentários