Banca europeia obrigada a cortar custos. Vem aí uma avalanche de despedimentos, alerta DBRS

Redução dos custos operacionais permanece uma prioridade para os bancos europeus. Mas ausência de consolidação transfronteiriça e custos do investimento em tecnologia e ‘compliance’ leva bancos a ter de reduzir postos de trabalho até 2023, diz a agência e notação financeira.

A capacidade da banca europeia em gerar resultados vai permanecer difícil em 2021, obrigando os bancos a reduzir os custos operacionais nos próximos anos, segundo um comentário divulgado esta quinta-feira pela agência de notação financeira, DBRS.

Na ausência de consolidação transfronteiriça — a DBRS antecipa que a consolidação do setor, a nível doméstico, continue, nomeadamente em Espanha e Itália —, a agência de notação financeira sinaliza que a banca europeia “vai procurar oportunidades para reduzir os custos”, o que passará pelos despedimentos, numa altura em que o investimento em infraestrutura tecnológica e os custos regulatórios e de compliance dificultam a redução dos custos operacionais.

“O outlook para os bancos europeus em 2021 permanece desafiante. Antecipamos que a pressão nos resultados de 2020 vai continuar em 2021. Tendo em conta o difícil contexto para gerar resultados, a redução dos custos operacionais permanece claramente uma prioridade”, diz a DBRS.

Numa tendência que a DBRS denomina de “tendência global na reestruturação”, entre 2021 e 2023 serão despedidos milhares de trabalhadores do setor da banca a nível europeu.

Segundo um quadro incluído no comentário da DBRS, 14 instituições de crédito da Holanda, Irlanda, Itália, Espanha, Alemanha, Reino Unido e Suécia vão despedir entre 1% e 25% do staff até 2023. Entre os bancos que mais postos de trabalho vão reduzir, encontram-se o britânico HSBC (até 35 mil postos de trabalho), o Deutsche Bank (até 18 mil trabalhadores) e o italiano UniCredit (até seis mil trabalhadores).

Entre os 14 bancos incluídos neste quadro não se encontra nenhuma instituição de crédito portuguesa, embora o comentário da DBRS, no geral, inclua 40 bancos europeus, incluindo a Caixa Geral de Depósitos e o Millennium bcp.

 

Ler mais
Relacionadas

EBA alerta para aumento no terceiro trimestre dos créditos em moratória que apresentam risco de incumprimento

A percentagem dos créditos em moratória que são considerado como Stage 2 (em risco) aumentou de 16,7% no segundo trimestre para 20,2% no terceiro, em contraste com a tendência decrescente registada no crédito total. A EBA faz ainda referência à baixa rentabilidade dos bancos. Já que a rentabilidade dos capitais próprios (ROE) permaneceu significativamente abaixo do custo de capital dos bancos.

“O Euro digital será definitivamente um marco na revolução monetária deste lado do mundo”, diz especialista

O professor universitário Paulo Cardoso do Amaral considera que a estratégia a adoptar pelo Banco Central Europeu para o Euro Digital “vai ser crítica e não isenta de riscos” e defende que com criptografia a privacidade dos utilizadores ficará assegurada.
Recomendadas

BES: Banco de Portugal e Ministério Público recorrem de absolvição da KPMG

Em resposta à Lusa, o Banco de Portugal (BdP) afirma que interpôs na quinta-feira “recurso para o Tribunal da Relação quanto à sentença proferida pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão no processo n.º 80/19.5YUSTR, que absolveu a KPMG Portugal e cinco dos seus auditores da decisão condenatória proferida pelo Banco de Portugal no processo de contraordenação n.º 100/14/CO”.

Notas contrafeitas retiradas de circulação pelo Banco de Portugal recuam 26% em 2020

O maior número de notas contrafeitas foi de 20 euros (6.292) e de 50 euros (3.034), tendo ainda sido apreendidas 1.823 notas de 10 euros, 443 notas de 100 euros e 324 notas de cinco euros.

Natixis quer transferir mais de 200 postos de trabalho para o Porto

O banco com sede em Paris apresentou o plano aos sindicatos no início desta semana e que ao pessoal afetado serão oferecidos pacotes para sair voluntariamente ou novas funções.
Comentários