Banca já avançou com ação principal para ficar com obras de arte de Berardo

A Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP e Novo Banco avançaram esta semana com a ação principal contra a Associação Coleção Berardo

A Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP e Novo Banco avançaram esta semana com a ação principal contra a Associação Coleção Berardo, que é dona das obras de arte do empresário madeirense, cujos títulos de participação estão penhorados.

A informação sobre a ação, onde são reclamados perto de mil milhões de euros consta do portal Citius, revela que os três bancos deram entrada na terça-feira, 13 de outubro, no tribunal da Comarca de Lisboa, segundo o “Expresso” e o “Eco“. Os bancos em questão, bem como Joe Berardo ainda não comentaram a notícia.

Há mais de um ano que a ação principal era aguardada depois da providência cautelar interposta pelas instituições financeiras e ter impedido a Associação Coleção Berardo, da qual Joe Berardo é presidente, de dispersar e vender as obras de arte que estão, em boa parte, no museu localizado no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Relacionadas

Museu Berardo Estremoz já recebeu mais de 10 mil visitantes

A coleção é composta por conjuntos azulejares ‘in situ’, património integrado na Quinta e Palácio da Bacalhôa e no Palácio Tocha e por mais de 4.500 exemplares móveis datados do século XIII ao século XXI, permitindo “percorrer a secular história do azulejo”.
Recomendadas

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.

Novo Banco lança serviço de agregação financeira para negócios e empresas

O Novo Banco lançou a NBnetwork+ para apoiar a gestão financeira diária das empresas. Este serviço encontra-se integrado no NBnetwork, o homebanking para os clientes negócios e empresas, anuncia o banco em comunicado.

Tribunal de Justiça da UE confirma que BCE pode manter documentos confidenciais sobre o BES

No acórdão, o Tribunal de Justiça nega provimento ao recurso da sociedade luxemburguesa Espírito Santo Financial Group (uma das entidades através da qual o GES assegurava o controlo do BES) que pedia a anulação da decisão do BCE de 31 de agosto de 2016, que recusou parcialmente o acesso a certos documentos relativos a decisões sobre o BES tomadas em reuniões do supervisor.
Comentários