Bancários criam valor

A acontecer que o poder político queira liquidar estas empresas de recuperação de créditos, despedindo pessoas e alienando carteiras, é um desfavor para os contribuintes, os cidadãos e os bancários.

Não me tenho cansado de escrever sobre o papel histórico dos bancários na afirmação de uma classe média instruída, competente e profissional, consciente dos seus deveres e direitos cívicos, a quem a democracia e o desenvolvimento económico e social tanto devem.

Vem isto a propósito da recuperação de créditos bancários. Como é sabido, mas vale a pena relembrar, a quase falência da República Portuguesa implicou a aceitação de soluções draconianas de austeridade e de alienação de activos, de forma a satisfazer os credores estrangeiros. Veio a representação física dos credores, sob a forma dos empréstimos de emergência tutelados pela troika e com ela um violento sufoco sobre a capacidade creditícia dos bancos a operar em Portugal. Novos critérios de liquidez, de provisões e de capitais próprios, forçaram os bancos a encolher os seus balanços, reduzindo crédito concedido às empresas com isso agravando a política de austeridade e a recessão que se seguiu.

E porque a memória tende a ser curta, importa recordar que foram os credores que impuseram as condições e fizeram de Portugal, do Chipre e da Grécia um laboratório das suas experiências. Para mal dos cidadãos destes três países, convém deixar claro.

Os bancos ficaram com uma montanha gigante de créditos incobráveis, e entre execuções de garantias, dações em pagamento, entre outras, foram forçados a alienar, depressa, um imenso património imobiliário e mobiliário. Este exercício depressa se percebeu que seria elaborado com preços deprimidos e que os fundos abutre aproveitariam a oportunidade. Abutres porque se limitaram a aproveitar da desgraça alheia, porque não trouxeram tecnologia, e porque procederam a uma gigantesca transferência de riqueza de agentes económicos portugueses para terceiros.

Contudo, fruto das decisões políticas e dos compromissos assumidos pelo Estado português no desfecho dos bancos BPP, BPN e Banif, constituiu a República três entidades, a saber: BPP em Liquidação; Parvalorem e Oitante. Comum a todas estas empresas a preservação de valor, o tratamento profissional e a ausência de conflitos de interesses. Tudo feito por bancários!

Quando se percepciona que a crise desencadeada pela Covid possa ter impactos severos sobre as carteiras de imparidades dos bancos, seria de elementar prioridade e bom senso robustecer as três entidades supracitadas, com provas dadas.

A acontecer que o poder político queira liquidar estas empresas de recuperação de créditos, despedindo pessoas e alienando carteiras, é um desfavor para os contribuintes, os cidadãos e os bancários. E cujo aproveitamento vai parar a fundos abutre, sitos em jurisdições opacas, que não pagam impostos ou criam emprego. Será que vamos cometer os mesmos erros, outra vez?

Tem a palavra o senhor ministro das Finanças.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

A quem interessa uma sociedade mais desigual?

Se o capitalismo liberal quiser sobreviver, não poderá ignorar o problema das desigualdades sociais, sob pena de fornecer ainda mais argumentos aos que o querem destruir.

Portugal a saque

Já é tempo de dizer, sem medo das palavras, que, no combate à corrupção, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa não existe; que o primeiro-ministro António Costa faz figura de corpo presente.

Os gregos vão ver-se “gregos”

Importa perceber o quão solidária a UE vai ser com a Grécia e com Chipre, como se vai comportar na hora da verdade. Estamos perante mais um teste à União e à sua normatividade.
Comentários