Banco de Inglaterra prevê recuperação mais lenta da economia e não muda taxas de juro

A entidade anunciou também que não fará com qualquer alteração na taxa de juro que permanecerá nos 0,1%, mantendo também inalterado o seu programa de compra de títulos no valor de 822 mil milhões de euros.

Sede do banco de Inglaterra | Rob Bodman/Reuters

O Banco da Inglaterra informou esta quinta-feira que espera que uma recuperação mais lenta da economia britânica do que o previsto antes do inicio da pandemia do coronavírus e que não regresse aos níveis do final de 2019 até ao fim de 2021, revela a agência “Reuters”.

A entidade anunciou também que não fará com qualquer alteração na taxa de juro que permanecerá nos 0,1%, dado que isso poderia prejudicar o equilíbrio bancário, apesar de deixar o aviso de que no futuro essa mudança possa vir a feita.

“O Monetary Policy Comittee continuará a analisar a adequação de uma taxa de política negativa como uma ferramenta política, juntamente com o seu conjunto de ferramentas mais amplo. O MPC tem outros instrumentos disponíveis – por exemplo, compras de ativos e orientações futuras. O MPC continuará a avaliar a orientação apropriada da política monetária e manterá as ferramentas apropriadas para alcançar as suas atribuições – incluindo taxas negativas de política em análise”, informa uma nota do banco.

O Banco de Inglaterra também deixou inalterado o seu programa de compra de títulos no valor de 822 mil milhões de euros.

Recomendadas

Liberty cria ecossistema na ‘cloud’ pública

Construir um seguro à medida de cada um e uma oferta personalizável é o objetivo da Liberty Seguros com um novo ecossistema, afirma Alexandre Ramos, da área tecnológica da companhia.

PremiumJane Fraser: Mulher escocesa atingiu o topo do mundo financeiro de Wall Street

A CEO do Citigroup é a primeira mulher a chegar ao topo de um banco cotado na bolsa mais importante do planeta, após uma fulgurante carreira em instituições de referência. O que também é uma referência, e não das melhores, é que a sua nomeação ainda seja notícia.

PremiumBraga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão de que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a Banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes. Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.
Comentários