Banco de Portugal adopta ‘energia verde’ nos seus edifícios

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição

Os edifícios do Banco de Portugal vão passar a consumir energia integralmente proveniente de fontes renováveis.

O fornecimento de energia proveniente de fontes renováveis será aplicado a todos os edifícios do Banco em Lisboa e na rede regional, com exceção, para já, das delegações regionais da Madeira e dos Açores.

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição

O contrato com o antigo fornecedor de energia elétrica terminou no final de 2019 e, no âmbito do novo concurso, o Banco de Portugal decidiu valorizar propostas baseadas em fontes renováveis, que, simultaneamente, não implicassem um aumento de custos com o fornecimento de energia., explica a instituição.

“Esta medida insere-se num conjunto, mais vasto, de iniciativas que o Banco de Portugal tem vindo a desenvolver no domínio da sustentabilidade”, explica o banco central.

Recorde-se que o Banco de Portugal é membro, desde 2018, da Central Banks and Supervisors Network for Greening the Financial System, uma organização de bancos centrais e autoridades de supervisão constituída para definir e promover boas práticas na gestão dos riscos ambientais no setor financeiro e apoiar a transição para uma economia sustentável.

Ler mais
Recomendadas

PremiumVenda do BNI Europa aguarda fecho das contas de 2019

Negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2020. O banco apesenta contas anuais em março.

PremiumBCP quer reduzir malparado para 3 mil milhões em 2021

O BCP lucrou 302 milhões em 2019, à custa de mais-valias em dívida portuguesa. A redução do 1,3 mil milhões de NPE foi a boa notícia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

O supervisor vai rever as regras de governo e sistemas de controlo interno nos bancos, incluindo práticas remuneratórias, tendo até 23 de março em consulta pública dois projetos regulamentares.
Comentários