Banco de Portugal aprovou 4 mil pedidos para atividade de intermediação de crédito

Cerca de 79% dos pedidos para o exercício da atividade de intermediário de crédito foram autorizados pelo Banco de Portugal (BdP), disse Luís Máximo dos Santos, vice-governador do BdP. Mas, no final de 2018 e início de 2019, o crédito ao consumo tem crescido a um ritmo mais lento, por comparação com os anos anteriores. Ainda assim, Máximo dos Santos salientou que é “inútil diabolizar” o crédito ao consumo, sendo antes necessário “regulá-lo e fiscalizá-lo”.

Entre 1 de janeiro de 2018, dia em que entrou em vigor o regime jurídico das instituições de crédito, e 22 de julho de 2019, o BdP aprovou 3.827 pedidos de autorização para o exercício da atividade de intermediário de crédito.

Neste período, o regulador “recebeu o impressionante número de 5.988 pedidos , com uma forte concentração nos últimos meses de 2018”, explicou o vice-governador do BdP, Luís Máximo dos Santos, durante a apresentação do estudo “Impacto do crédito ao consumo na economia portuguesa”, que se realizou esta terça-feira, e que foi elaborado pela Nova Business School of Economics e pela Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC).

Entre os processos de pedido de autorização para o exercício da atividade de intermediário de crédito, 4.822 estão “encerrados”, disse Luís Máximo dos Santos. Com 995 pedidos a serem indeferidos, a taxa de sucesso destes pedidos foi de 79%.

De um ponto de vista mais geral, o vice-governador do BdP disse que o crédito ao consumo manteve, no ano passado “a tendência de crescimento que se verifica desde 2013 “, mas salientou que o ritmo de crescimento tem desacelerado. “Em 2018, o montante de crédito ao consumo concedido aumentou  10,1% face a 2017, abaixo do crescimento de 12% verificado em 2017, e do crescimento de 17,5% registado em 2016”, afirmou Luís Máximo dos Santos.

Antecipando a apresentação do Relatório de acompanhamento dos mercados bancários de retalho referente a 2018 que será publicado brevemente pelo BdP, Luís Máximo dos Santos frisou ainda que a tendência de desaceleração do crescimento do crédito ao consumo se manteve no final de 2018 e inícios de 2019,  períodos nos quais, em termos homólogos, se registaram variações homólogas “praticamente nulas”.

No entanto, neste contexto, o vice-governador do BdP salientou o papel do crédito ao consumo na sociedade atual. “O crédito ao consumo está indissociavelmente ligado a um modelo de sociedade que coloca o consumo como valor central”, disse. “O crédito ao consumo é hoje o fenómeno com largas implicações económicas e sociais (…) em todas as economias das empresas”.

Assim, “é inútil diabolizá-lo”, sendo antes necessário “regulá-lo e fiscalizá-lo de modo a proteger adequadamente os clientes bancários e também prevenir riscos sistémicos”, disse Luís Máximo dos Santos.

Ler mais
Relacionadas

Crédito automóvel é o tipo de financiamento que mais cresceu em Portugal desde 2013

O estudo “Impacto do crédito ao consumo na economia portuguesa”, realizado em conjunto pela  Nova School of Business and Economics (Nova SBE) e da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC) conclui que, dentro do crédito pessoal, o financiamento para a compra de automóvel é o que mais cresceu desde 2013.
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários