Banco de Portugal chama banqueiros para discutir venda do Novo Banco

Fundo de Resolução vai perder poder de voto ou intervenção na gestão mas manterá 25% de participação e os direitos económicos numa futura venda.

Os banqueiros foram chamados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal para discutir a intervenção do Fundo de Resolução na venda do Novo Banco ao Lone Star, noticia o Público.

O encontro, convocado pelo administrador do BdP, Luís Máximo dos Santos, teve início às 16h00 na sede da entidade supervisora e pretende resolver as questões do Fundo de Resolução que, apesar de perder o poder de voto ou intervenção na gestão, manterá os 25% de participação e os direitos económicos numa futura venda, independentemente das ações que tiver posse na data.

O debate conta com a presença do administrador do BdP e de uma comitiva representada por Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, e alguns banqueiros.

Maria Manuela Leitão Marques anunciou que o Conselho de Ministros discutiu a alienação do Novo Banco ao fundo norte-americano mas não avançou pormenores, esclarecendo apenas que Mário Centeno, Ministro das Finanças, irá divulgar os termos do negócio amanhã.

Recomendadas

Commerzbank agrava prejuízos para 394 milhões de euros no primeiro semestre

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).

Novo Banco, BCP, Caixa Geral de Depósitos e Santander recusaram apoio à Dielmar (com áudio)

A administração da Dielmar fez saber a 2 de agosto que pediu a insolvência da empresa de vestuário, ao fim de 56 anos de atividade. A decisão foi justificada com os efeitos da pandemia. Mas antes a empresa procurou ajuda junto da banca nacional, que recusou ajudar por falta de garantias.

HSBC mais do que triplica lucros para 6.129 milhões de euros no primeiro semestre

Na apresentação de resultados que o grupo remeteu à bolsa de Hong Kong, onde está cotado, o presidente executivo, Noel Quinn, afirmou que os resultados refletem que se “regressou ao crescimento” nos principais mercados do banco.
Comentários