Banco Santander Totta assina compra do Popular Portugal

Santander Totta incorpora Banco Popular Portugal. A compra só se efetiva depois das autorizações das entidades reguladoras e de supervisão.

Cristina Bernardo

O banco liderado por António Vieira Monteiro informou o mercado sobre a aquisição de 100% do Banco Popular Portugal e aprovação do projecto de fusão simplificada por incorporação.

Foi hoje celebrado um contrato de compra e venda de ações entre o Banco Popular Español e o Banco Santander Totta, nos termos do qual o banco liderado por António Vieira Monteiro (Santander Totta) adquire 100% das ações do Banco Popular Portugal, atualmente detidas pelo Banco Popular Español.

A compra só se efetiva depois das autorizações das entidades reguladoras e de supervisão.

“Seguem-se os procedimentos legais inerentes às operações acima referidas junto das autoridades de supervisão”, refere o comunicado.

Adicionalmente, também nesta data, os Conselhos de Administração do Banco Santander Totta e do Banco Popular Portugal, aprovaram um projeto de fusão simplificada por incorporação, nos termos do qual o Banco Santander Totta, incorporará juridicamente o Banco Popular Portugal, incluindo a totalidade do seu ativo e passivo.

Esta aquisição surge na sequência da aquisição do Banco Popular Español pelo Banco Santander em Espanha, no âmbito da medida de resolução aprovada pelo Mecanismo Único de Resolução.

Na apresentação de resultados o presidente do Santander Totta, António Vieira Monteiro, explicou que o processo de integração do Popular ainda aguardava a autorização da Direção Geral da Concorrência (DGComp), do BCE e do Banco de Portugal.

“A integração do Popular Portugal poderá levar a que as imparidades e provisões para crédito possam ter de ser reforçadas. Isto porque vamos encontrar algumas imparidades (no Banco Popular)”, disse o banqueiro na altura. Vieira Monteiro recordou que quando integrou o Banif no Santander Totta o rácio de crédito em risco subiu para 11% e “graças à política de provisionamento forte, hoje este rácio está nos 4,46%”.

Já quanto a necessidades de capital devido à integração do Popular, o presidente do Santander Totta, referiu que “tem capital suficiente “, e como tal não vai precisar de fazer um aumento de capital.

Noutro comunicado enviado à CMVM, o Totta anuncia que, ainda no contexto da integração em Portugal do negócio do Grupo Banco Popular no Grupo Santander, foram hoje aprovadas a compra, pela Totta Urbe – Empresa de Administração e Construções, à Consulteam – Consultores de Gestão, da respetiva carteira de ativos; e a compra, pela Santander Totta, SGPS, ao Banco Popular Español, de 84,07% do capital social da Eurovida – Companhia de Seguros de Vida.

(atualizada)

Ler mais
Relacionadas

Comissão Europeia recusa explicar venda do Banco Popular

Expansión noticia que Bruxelas justifica recusa de informação aos investidores do banco espanhol com a necessidade de “proteger o comprador e o sistema financeiro da UE”.

Investidores do Banco Popular avançam com ação judicial sobre o colapso do banco

Os investidores do Banco Popular vão avançar com uma ação judicial sobre o colapso do banco espanhol, depois de este ter sido comprado pelo seu rival Santander, por apenas um euro.

Santander compensa acionistas e obrigacionistas do Popular com 980 milhões

O Santander que comprou o Popular numa medida de resolução que implicou perdas para acionistas e obrigacionistas subordinados, decidiu compensar com a entrega de obrigações perpétuas os lesados do Popular. A oferta estará condicionada a que os accionistas renunciem a todo tipo de medidas legais contra o banco.

Dombrovskis: Venda do Banco Popular foi decisão da UE e pode ser alvo de recurso

Venda do Banco Popular ao Santander por apenas um euro foi a primeira medida formal decidida pelo Conselho Único de Resolução para evitar uma falência que abalasse a banca espanhola.
Recomendadas

BPI permite moratória nos créditos não abrangidos por lei do Governo

O banco permite ainda que os clientes com crédito pessoal e ao financiamento automóvel tenham carência de capital de seis meses.

Lei das moratórias dá opção aos mutuários de só suspenderem o capital sem capitalizar os juros

As prestações ao banco vão subir para quem recorrer à moratória pública aprovada pelo Governo. Mas o documento dá a opção de o cliente só suspender o reembolso de capital continuando a pagar os juros, para não subir a prestação ao fim de seis meses.

BCP junta-se ao Movimento Portugal #EntraEmCena para salvar a cultura da crise da Covid-19

No global, este movimento representa, um investimento de mais de um milhão de euros, através desta plataforma, em projetos que não poderão ultrapassar, cada um, os 20 mil euros. O BCP junta-se assim a entidades como a Altice, BPI, CGD, Centro Cultural de Belém, EDP, Fidelidade, Montepio, entre outros para que o Covid-19 não acabe de vez com a cultura.
Comentários