Banco Santander planeia cortar três mil empregos e reduzir balcões

Banco Santander desenhou um plano que visa rentabilizar a integração do Popular e conseguir um retorno de 14%,

O Banco Santander desenhou um plano que visa rentabilizar a integração do Popular e conseguir um retorno de 14%, informa o Expansión esta sexta-feira. No reajustamento está previsto uma redução de custos na ordem dos 500 milhões de euros, em que a maior parte desse montante se obteria com uma redução de 33% dos gastos respeitantes ao banco recém-adquirido, conforme noticia o diário de economia espanhol.

Quanto ao número de funcionários, calcula-se que haja o corte de aproximadamente três mil empregados, que poderá afetar os serviços centrais e a rede de agências disponíveis no país e que vai envolver uma oferta de rescisões voluntárias e reformas antecipadas. Atualmente, o Santander conta com 22.900 trabalhadores e o Popular com 10.634.

O maior banco espanhol precisa de tempo para dar luz verde ao plano, uma vez que ainda esta semana o Banco Santander anunciou a aquisição de 100% do Banco Popular por um euro e considera “essencial manter os clientes”. O Santander tem previsto realizar um aumento de capital de aproximadamente sete mil milhões de euros “que cobrirá o capital e as provisões necessárias para reforçar o balanço do Banco Popular”, de acordo com a nota enviada à Comissão de Comissão de Mercado de Valores (CMVM), na quarta-feira.

Após a resolução do Banco Popular e posterior aquisição pelo Banco Santander, a Moody’s manteve o rating da entidade bancária presidida por Ana Botín e a perspetiva estável, considerando que as fragilidades são compensadas pelo aumento de capital. “A avaliação da agência considera que o impacto da aquisição de uma instituição materialmente mais fraca será amplamente compensado pelo anúncio de uma emissão de direitos de sete mil milhões de euros que foi totalmente subscrita. O Banco Popular representou 10,9% dos ativos totais do Santander no final de março de 2017”, justificou a agência de notação financeira em comunicado.

Relacionadas

Santander quer reduzir em 10% a base de custos na Península Ibérica

No Santander Totta o cost-to-income (custos sobre receitas) melhora de 43% sozinho para 38% combinado com o Popular. Não é detalhado o corte de pessoas e de balcões a aplicar após a integração. O Banco Popular Portugal tem cerca de 1.000 pessoas no quadro de pessoal.

Ana Botín: “Compra não vai custar nada aos contribuintes e será neutra para os acionistas do Santander”

Ana Patricia Botín garante também que as equipas estão empenhadas em prestar um serviço com a mesma qualidade e afirma acreditar que a integração irá contribuir para o crescimento económico.
Recomendadas

Bancos já começaram a “colocar no terreno” as linhas de crédito Covid-19

Presidente da República disse que os bancos já estão a fazer chegar às empresas as linhas de crédito destinadas a apoiar as empresas. Marcelo ouve amanhã o presidente da Associação Portuguesa de Bancos e o governador do Banco de Portugal.

Presidente do BCP teme que um quinto do crédito concedido nas linhas Covid-19 venha a ter “problemas”

“O BCP, em 2019 foi ao mercado financiar-se duas vezes. Uma no início do ano e financiou-se acima dos 9% e na segunda vez, no final do ano, acima de 4%. Nós temos várias fontes para poder financiar a economia. O BCE é apenas uma delas”, referiu Miguel Maya.

Novo Banco: crédito vencido na habitação e consumo ficou inalterado após apoio às empresas para pagar salários

A garantia foi dada por António Ramalho, presidente executivo do Novo Banco. Contudo, o crédito malparado nas empresas sofreu um “efeito marginal” em março.
Comentários