Banco WiZink compra fintech espanhola e aposta no e-commerce

O banco digital espanhol adquiriu 100% do capital da startup Aplazame com o objetivo de apostar no e-commerce.

O banco WiZink anunciou esta quarta-feira, 1 de agosto, a compra da fintech espanhola Aplazame, uma operação que visa a aposta no e-commerce, na melhoraria da resposta aos clientes e no avanço enquanto referência em soluções de pagamento flexíveis.

O banco especializado em crédito revolving, que opera em Espanha e Portugal, adquiriu 100% do capital da startup de financiamento automático para compras online, mas a Fintech continuará a operar como uma empresa independente, de acordo com a informação conjunta transmitida esta manhã à imprensa.

Fundada em 2014 e liderada por Fernando Cabello-Astolfi, a Aplazame combina um método de pagamento dividido integrado no checkout de lojas online e no sistema de caixa das tradicionais lojas físicas.

“A proposta da Aplazame encaixa-se perfeitamente no nosso perfil digital e na nossa filosofia de simplicidade, de facilitar o dia a dia do cliente. Embora o WiZink e a Aplazame continuem a operar como duas empresas independentes, esta compra é mais um passo para nos tornarmos numa referência em meios de pagamento flexíveis e reforça a nossa estratégia digital ao entrarmos no campo do e-commerce”, afirma Iñaki Perkins, CEO do WiZink.

Atualmente, a Värde Partners é o único acionista do WiZink, após a compra da sua participação de 49% no banco online ao grupo Santander. A gestora de carteira de fundos de investimento privados já detinha, há quatro anos, uma participação de 51% no WiZink.

Relacionadas

Värde Partners torna-se no único acionista do banco digital WiZink

A WiZink ficará a gerir mais de 3.000 milhões de euros em saldos de cartões de crédito em Espanha e Portugal.

Santander recupera negócio de cartões de crédito e débito do Popular

O banco espanhol anunciou esta segunda-feira a venda da sua participação de 49% na WiZink ao fundo de capital de risco Varde.
Recomendadas

Banco do Brasil inicia processo para eleger André Brandão para presidente

André Brandão vai substituir Rubem Novaes, que pediu demissão no final de julho por considerar que o banco estatal precisava de “uma reforma” para enfrentar “os momentos futuros de muitas inovações no sistema bancário”.

Soluções digitais para mercado empresarial do Novo Banco premiadas pela revista “Global Finance”

“O Novo Banco tem permanentemente investido para se tornar o melhor banco comercial em Portugal para a era digital, com capacidades de self-service de referência, relacionamentos omnicanal inteligentes e integrados”, diz o banco em comunicado.

PremiumComissão de inquérito ao Novo Banco deve avançar após auditoria

PS e PSD consideram “inevitável” criação de uma comissão de inquérito ao Novo Banco no Parlamento, mas vão esperar pela auditoria da Deloitte. CEO do banco será ouvido pelos deputados em setembro.
Comentários