PremiumBancos não vão fazer provisões para as multas da AdC

As coimas da Concorrência por prática concertada de preços não vão ter impacto nos resultados dos bancos porque não vão constituir provisões.

Os quatro bancos que foram condenados a pagar as maiores coimas pela Autoridade da Concorrência (AdC) por prática concertada de preços na concessão de crédito à habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas durante dez anos, não vão constituir provisões para as multas aplicadas, apurou o Jornal Económico.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD), o Millennium BCP, o Santander Totta e o BPI não acreditam que a condenação da AdC sobreviva às impugnações judiciais, que todos já admitiram interpor.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

CGD esclarece que Autoridade da Concorrência concluiu que não existiu um cartel de banca

“Não foi assim alegada (nem nunca poderia ser) a combinação de preços, a partilha de mercados, ou outros tipos de conluios que caracterizam o que em linguagem corrente se costuma designar por cartel”, explica a CGD.

Deco estuda uma ação coletiva contra os bancos condenados pela AdC

O economista da Deco explica que só depois de receberem estes esclarecimentos é que poderão perceber de que modo é que poderão avançar com uma eventual ação em tribunal, contra os bancos

BPI vai recorrer da condenação de 30 milhões de euros da Concorrência

Em comunicado enviado às redações, o BPI “contesta que a alegada troca de informação tenha ocorrido nos moldes alegados na decisão acusatória, em particular, que a informação em causa, pela sua natureza não poderia produzir efeitos anti-concorrenciais e não prejudicou, de modo nenhum, os interesses dos clientes”.
Recomendadas

Novo Banco diz que “não vende imóveis com desconto”, pois vendeu ao preço de mercado

“A diferença quanto ao valor de avaliação no balanço dos imóveis não é um desconto, é o efeito da diferença entre o preço de mercado e o valor de avaliações que seguem o método de custo ou que assumem diferentes estimativas de capacidade construtiva”, explica o banco liderado por António Ramalho.

Horta Osório não exclui voltar a Portugal nem possibilidade de trabalhar noutro sector que não bancário

Ao fim de 15 anos a liderar o banco britânico Lloyds, o gestor bancário admite considerar regressar a Portugal mas adverte que não irá desempenhar, obrigatoriamente, funções no setor da banca.

Ricardo Salgado vai ser acusado de liderar organização criminosa dentro do BES

O Ministério Público prepara-se para revelar o despacho de acusação do caso BES até dia 15. A investigação leva o MP a considerar a existência de uma organização criminosa liderada por Ricardo Salgado
Comentários