Bankinter e BBVA lideram na rentabilidade em Espanha

Os dois bancos espanhóis apresentaram o maior ‘Return On Equity’: 13% e 11,7%, respetivamente.

O Bankinter e Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) lideram no setor bancário em Espanha em termos de rentabilidade, de acordo com os dados compilados pelo jornal económico espanhol “Expansión”.

Em percentagem, segundo dados de junho de 2018, o seu Return On Equity (ROE) é de 13% e 11,7%, respetivamente, o que corresponde a um subida de 0,83 pontos percentuais e de 2 pontos percentuais, pela mesma ordem.

Em terceiro lugar está o CaixaBank, acionista maioritário do banco português BPI, com um ROE de 8,6% (+3,2 pontos percentuais). Segue-se o Bankia (8,3%), o Santander (8,24%), o Liberbank (6%), o Unicaja (5,5%) e o Sabadell (1,45%)

Assim sendo, a maioria dos oito bancos cotados em Espanha ainda não é lucrativa o suficiente para cobrir os custos de capital, que o consenso dos analistas contactados pelo diário coloca entre os 9% e os 10%. A publicação lembra ainda que cinco anos de recuperação económica não foram suficientes para as instituições financeiras retomarem os retornos de 20% antes registados.

Recomendadas

“Em crise os riscos de crédito aumentam e o seguro torna-se mais importante”

Nesta crise, há setores que se veem obrigados a reduzir a sua atividade, “mas há outros em que novas oportunidades de negócio se abrem”, afirma a ‘chairman’ da COSEC, Maria Celeste Hagatong.

CGD faz hoje 145 anos e celebra com concerto online de Abrunhosa

Paulo Moita de Macedo, Presidente Executivo da Caixa, assinala a data com uma mensagem dirigida a todos os clientes onde realça a importância de cada cliente na construção destes 145 anos de história. O CEO da CGD coloca a tónica no futuro do Banco, “um caminho que continuará a ser feito lado a lado com os portugueses”.

Malparado do Novo Banco foi vendido ao melhor preço conclui auditoria da Deloitte

“Nos três processos de alienação analisados verificou-se que foi escolhida a proposta de investidores que apresentava o preço mais elevado”, pode ler-se no documento da auditoria da Deloitte.
Comentários