Bankinter manterá o mesmo requisito de capital do Banco Central Europeu

O banco central considerou que o perfil de risco do Bankinter permanece inalterado e continua, portanto, dentro do grupo de bancos com o menor requisito de capital.

O Bankinter manterá o mesmo requisito de capital do Banco Central Europeu em 2020 e em 2019, anunciou o banco espanhol.

O BCE informou o Bankinter de que, até 2020, impõe o mesmo requisito de capital mínimo exigido para 2019, dentro do processo de avaliação e revisão de supervisão (SREP). O banco central considerou que o perfil de risco do Bankinter permanece inalterado e continua, portanto, dentro do grupo de bancos com o menor requisito de capital.

“Este tipo de decisão para o próximo ano será aplicável apenas a um grupo restrito de banco europeus”, revela o Bankinter.

O supervisor europeu decidiu que reavaliará os requisitos de capital do Bankinter a cada dois anos, em vez de anualmente, dado seu perfil de risco prudente e o seu nível de solvência adequado.

Atualmente, o que está em vigor para o restante do setor é uma avaliação anual.

Como resultado da notificação, o BCE mantém, até 2020, como requisitos mínimos de capital para o Bankinter os já estabelecidos na sua decisão de 14 de fevereiro, segundo a qual o rácio de CET1 (Common Equity Tier 1) consolidado permanecerá nos 8,20% (mínimo), enquanto o rácio de capital total necessário permanecerá em 11,70%.

“No final de junho passado, esses dois parâmetros de solvência excederam confortavelmente esses requisitos: o Rácio CET 1 (na versão fully loaded) era de 11,50%, enquanto o rácio de capital total era de 13,87%.

Já em fevereiro, os requisitos do SREP para o Bankinter eram os mais baixos entre os impostos aos bancos espanhóis.

“O Bankinter considera positiva a decisão do BCE e continuará trabalhando para manter um nível adequado de solvência, de acordo com seu perfil de risco prudente”, diz o banco liderado por Dolores Dancausa.

Ler mais
Recomendadas

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

BPI alarga moratórias para famílias e empresas com carência de capital entre seis a doze meses

A partir de segunda-feira, os clientes que estejam em situação regular com o BPI poderão beneficiar do alargamento do regime da moratória publica junto do banco, que prevê dar carências de capital entre seis e doze meses.

Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.
Comentários