Bankinter Portugal quer apostar no negócio de empresas e dar mais crédito

Em declarações à Lusa, o subdiretor financeiro do Bankinter afirmou que a banca de empresas é “muito rentável e boa em Espanha” e que o grupo quer replicar isso em Portugal.

O Bankinter Portugal quer reforçar o negócio junto das empresas, depois de no primeiro semestre ter aumentado em 50% o total do crédito concedido a estas para 1.200 milhões de euros, segundo o subdiretor financeiro, Alfonso Alfaro.

Em declarações à Lusa, depois de a semana passada terem sido conhecidos resultados do grupo Bankinter, o subdiretor financeiro do Bankinter afirmou que a banca de empresas é “muito rentável e boa em Espanha” e que o grupo quer replicar isso em Portugal.

“Começámos quase do zero o banco de empresas [em Portugal], que é muito rentável e bom em Espanha, e queremos que também o seja em Portugal”, vincou.

Aliás, disse, a ideia é replicar em Portugal toda a operação de Espanha e apostar em segmentos de negócio: “O que pretendemos em Portugal não é ser um banco de retalho como BCP ou Caixa Geral de Depósitos, mas sermos bons em alguns segmentos, como banca ‘private’, ‘affluent’ [clientes de rendimentos mais elevados], empresas, consumo”.

Na quinta-feira foi divulgado que o grupo bancário espanhol Bankinter (que está presente em Portugal desde 2016) teve um lucro de 261 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, um aumento de 8,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Para a operação em Portugal apenas foram divulgados os resultados antes de impostos (uma vez que a sucursal em Portugal consolida em Espanha), que subiram 66% para cerca de 31,2 milhões de euros.

Para Alfonso Alfaro, estes resultados são “muito bons” e “melhor do que esperados em Portugal”, destacando que a maior parte dos lucros vieram de negócio recorrente (margem financeira e comissões).

No primeiro semestre, segundo dados divulgados do banco, o Bankinter Portugal representou 7% da margem bruta do grupo, sendo a carteira de crédito de 5.200 milhões de euros no final de junho, o que representa 12% do que no mesmo período de 2017.

O crédito à habitação era em junho de 3.800 milhões de euros, mais 3% do que no mesmo mês do ano passado. O Bankinter destaca que, em Portugal, a quota de mercado de produção de novo crédito à habitação foi de 6% nos últimos 12 meses, acima da quota do Bankinter em Portugal, que é de apenas 1%.

Já os recursos de clientes (em que se incluem os depósitos) cresceram 4% para 4.200 milhões de euros.

Sobre o crescimento do negócio em Portugal, Alfonso Alfaro pôs de parte eventuais aquisições, dizendo que o banco quer crescer organicamente.

Quanto à nova legislação que impõe aos bancos deduzirem os juros negativos no crédito à habitação, o responsável do Bankinter não quis dizer os créditos do Bankinter Portugal impactados, afirmando apenas que “são muito poucos”.

O grupo espanhol Bankinter está em Portugal desde 2016, quando comprou parte da atividade e a rede comercial do Barclays.

Tem, atualmente, 81 agências e cerca de 800 trabalhadores e uma quota de mercado de cerca de 1%.

Ler mais
Recomendadas

BPI permite moratória nos créditos não abrangidos por lei do Governo

O banco permite ainda que os clientes com crédito pessoal e ao financiamento automóvel tenham carência de capital de seis meses.

Lei das moratórias dá opção aos mutuários de só suspenderem o capital sem capitalizar os juros

As prestações ao banco vão subir para quem recorrer à moratória pública aprovada pelo Governo. Mas o documento dá a opção de o cliente só suspender o reembolso de capital continuando a pagar os juros, para não subir a prestação ao fim de seis meses.

BCP junta-se ao Movimento Portugal #EntraEmCena para salvar a cultura da crise da Covid-19

No global, este movimento representa, um investimento de mais de um milhão de euros, através desta plataforma, em projetos que não poderão ultrapassar, cada um, os 20 mil euros. O BCP junta-se assim a entidades como a Altice, BPI, CGD, Centro Cultural de Belém, EDP, Fidelidade, Montepio, entre outros para que o Covid-19 não acabe de vez com a cultura.
Comentários