BBVA com lucros de 3.512 milhões em 2019 a caírem 35%

O Grupo BBVA reporto um lucro recorrente, sem extraordinários, de 4.830 milhões de euros em 2019 ( 2,7% mais que em 2018), naquele que é “o melhor resultado desde 2009”.

Susana Vera/Reuters

O banco espanhol BBVA lucrou 3.512 milhões de euros em 2019, 35 % menos que em 2018, devido à operação nos Estados Unidos. Uma redução de 1.318 milhões no valor de sua subsidiária nos EUA justifica a queda. Isso e a ausência de extraordinário observado em 2018 para a venda do BBVA Chile.

O Grupo BBVA reportou  um lucro recorrente, sem extraordinários, de 4.830 milhões de euros em 2019 ( 2,7% mais que em 2018), naquele que é “o melhor resultado desde 2009”.

Os resultados foram impulsionados pelo incremento das receitas recorrentes e pela contenção dos custos de exploração. Os gastos operacionais permaneceram contidas, com aumento de 3%, abaixo da inflação média dos países em que o BBVA está presente (5,4% nos últimos doze meses).

A margem financeira atingiu os 18.202 milhões de euros, subindo 3,5%, enquanto as comissões líquidas também aumentaram 3,2%, para 5.033 milhões. A margem bruta ficou em 24.542 milhões, mais 3,3%, enquanto a líquida cresceu 4,9%, para 12.639 milhões.

O resultado das operações financeiras registou uma variação interanual de 16,6% (+ 18,9% a taxas constantes), até 1.383 milhões de euros, com uma evolução muito positiva no último trimestre do ano, graças aos resultados financeiros gerado em Espanha e na Turquia.

Incluindo o impacto do ajuste do fundo de comércio nos Estados Unidos no quarto trimestre e as mais-valias pela venda da operação no Chile em 2018, o resultado atribuído decresceu 35% num ano, até aos 3.512 milhões de euros.

O banco tem previsto submeter à consideração dos orgãos de governo o pagamento de um dividendo bruto de 0,16 euros por acção em abril de 2020, mantendo o mesmo valor do ano anterior.

O presidente executivo do BBVA, Carlos Torres Vila, realçou que o rácio de crédito malparado  foi de 3,8%, o mais baixo da última década, e a taxa de cobertura de 77%.

O custo do risco, que mede as novas entradas em malparado, é no entanto alto, de 1,04%.

O crédito a clientes registou um crescimento de 2,2% em 2019, até 382.360 milhões de euros, com um aumento significativo no México e, em menor grau, nos Estados Unidos e América do Sul . Os depósitos de clientes tiveram um bom desempenho durante o ano, com um crescimento de 2,2%, até 384.219 milhões de euros, muito suportado pela boa evolução dos depósitos à vista (+ 7,6% ano a ano, +2 8% no trimestre). Os recursos de clientes fora de balanço cresceram 9,8% em relação ao final de 2018, graças à boa evolução dos fundos de investimentos e pensões.

O rácio de capital (CET1 “fully loaded”) está nos 11,74%, o que traduz um aumento muito significativo no ano.

Ler mais
Recomendadas

EuPago regista perdas de operações de mais de 100 mil euros com suspensão temporária do MB Way

Segundo a empresa que executa pagamentos eletrónicos em Portugal, os comerciantes deixaram de receber um volume de pagamentos superior a 100 mil euros, por causa da suspensão temporária do meio de pagamento MBWay.

Comissão Europeia previu que no melhor cenário as perdas do Novo Banco com ativos do BES seriam entre 3 e 4 mil milhões

A Comissão Europeia, no documento publicado no início de 2018, revela, no ponto 224, a sua estimativa do custo da reestruturação do Novo Banco, e portanto do uso do Mecanismo de Capitalização Contingente (CCA), que “no melhor cenário” seria entre 3 e 4 mil milhões de euros. Sobre o EuroBic diz que o Novo Banco ainda está impedido de fazer aquisições, mas no futuro deve procurar operações que criem valor.

Presidente da sociedade que tem 75% do Novo Banco estava no Deutsche Bank quando assessorou o Banco de Portugal na venda

O presidente da Nani Holding que é dona de 75% do Novo Banco, frisou que entrou só em 2019, dois anos e meio depois de ter sido assinado a venda do banco liderado por António Ramalho, em 2017.
Comentários