BCE aprova administradores do Banco Santander Totta

“Com esta decisão, a totalidade dos membros propostos para o Conselho de Administração e a respetiva Comissão Executiva entra de imediato em funções plenas”, diz o banco agora liderado por Pedro Castro e Almeida.

Cristina Bernardo

O Banco Central Europeu informou hoje ter concluído o processo de Adequação e Avaliação (Fit and Proper) dos órgãos sociais do Banco Santander Totta para o triénio 2019-2021.

“Com esta decisão, a totalidade dos membros propostos para o Conselho de Administração e a respetiva Comissão Executiva entra de imediato em funções plenas”, diz o banco agora liderado por Pedro Castro e Almeida.

Da comissão executiva fazem parte seis administradores, Pedro Castro Almeida, como presidente, Manuel Preto como vice-presidente (atual administrador financeiro) , Inês Oom de Sousa (administradora desde 2016), Isabel Guerreiro (quadro do Santander Totta desde 2005 e responsável pela estratégia multicanal), Miguel Belo Carvalho (adjunto da administração desde 2013 tendo liderado a integração dos ativos do Banif) e Amílcar Lourenço no banco desde 1994 e tem sido responsável pela área de risco do crédito.

Pedro Castro e Almeida está na comissão executiva do Santander Totta desde 2009 e está no banco desde 1993 com responsabilidades em diversas áreas, tendo sido presidente do Santander Totta Seguros entre 2005 e 2012.

Já António Vieira Monteiro que assumiu a presidência do Santander Totta em 2012, quando Nuno Amado saiu para o BCP, assume a presidência do conselho de administração e fica com o vice-presidentes, José Carlos Sítima administrador executivo do Santander Totta desde 2004.

Manuela Atayde Marques, que vem da Associação Portuguesa de Bancos, integra agora a Comissão de Auditoria do banco. Desta comissão fazem parte cinco membros. A presidir está Ana Isabel Morais e há mais três vogais, além de Manuela Atayde Marques, Manuel Albuquerque, Daniel Traça e Isabel Mota.

O nome de Vieira Monteiro passou no crivo do BCE apesar de ter estado da CGD durante o período abrangido pela auditoria forense à CGD (2000 e 2015). Durante o mandato de Vieira Monteiro o banco registou elevadas perdas com obrigações caravela. O BCE terá considerado no entanto que não era sua responsabilidade as referidas perdas.

 

Ler mais
Relacionadas

PremiumDividendos da banca: o regresso ao passado?

Greed is good, disse a personagem Gordon Gekko, no filme Wall Street. Os acionistas gostam de ser renumerados pelo investimento que fazem, algo que, na última década, a maioria dos bancos ‘portugueses’ não tem feito, mas que poderão retomar no próximo ano. Com “prudência”, avisa o regulador.

Sonae, Semapa e Santander Totta com novos líderes em 2019

O ano de 2019 vai trazer mudanças na liderança de algumas das maiores empresas em Portugal, como a Sonae, a Semapa ou o Santander Totta.

PremiumVieira Monteiro em risco de não passar no BCE

António Vieira Monteiro foi administrador da CGD em 2000, altura das perdas com a ‘Operação Caravela’.
Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários