BCE: Draghi admite que economia europeia está “mais fraca que o esperado”

Os riscos do Brexit, Itália e da guerra comercial estão a pesar sobre a região, segundo o presidente do Banco Central Europeu.

Kai Pfaffenbach/Reuters

O presidente do Banco Central Europeu (BCE) admitiu, esta quinta-feira, que a economia da zona euro está a ter um desempenho abaixo do antecipado e que os riscos do Brexit, Itália e da guerra comercial estão a pesar sobre a região. Ainda assim, Mario Draghi garantiu que expansão é abrangente e suporta a confiança na subida da inflação.

“A informação recebida, apesar de algo mais fraca que o esperado, mantém-se de forma geral consistente com a expansão abrangente em curso da economia da zona euro e subida gradual das pressões de inflação”, disse Draghi, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião de política monetária do BCE, desta quinta-feira.

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro cresceu 0,4% em termos trimestrais, tanto no primeiro como no segundo trimestre de 2018. A inflação acelerou 0,9% em setembro, o que compara com a meta do banco central de uma inflação próxima, mas abaixo de 2%.

Apesar de manter a posição que a robustez da economia continua a apoiar a confiança da convergência da inflação, Draghi sublinhou que “as incertezas relacionadas com protecionismo, vulnerabilidades nos mercados emergentes e volatilidade nos mercados financeiros continua proeminente”. Acrescentou que um um nível significativo de estímulos monetários continuam a ser necessários na zona euro.

Esta foi a primeira reunião do BCE após o corte nos estímulos que deverá representar a última fase do programa. Tal como tinha anunciado em junho, o BCE mantém o plano de continuar a compra de ativos ao ritmo atual de 15 mil milhões de euros por mês, o que representa uma diminuição para metade do volume que adquiriu até ao final de setembro (30 mil milhões de euros).

Após o final de dezembro, a instituição deverá termina as compras líquidas, mas iniciar o programa de reinvestimentos dos títulos que atingem as maturidades.

A reunião aconteceu também na mesma semana em que Itália e a Comissão Europeia entraram em conflito devido à proposta de Orçamento do Estado para 2019. Roma propôs uma meta de défice de 2,4% para 2019 e Bruxelas tomou a decisão inédita de chumbar a proposta. Foi pedido um novo documento retificado, o que levou a uma subida nos juros não só da dívida pública de Itália, mas de vários países da zona euro.

O presidente do BCE reafirmou que, face ao aumento do risco no mercado de dívida relacionado com Itália, a instituição irá manter-se como grande comprador de dívida devido aos reinvestimentos, cujos pormenores não são ainda conhecidos.

[Notícia atualizada às 14h05]

Ler mais
Relacionadas

BCE mantém juros em mínimos e reafirma plano para terminar estímulos

Tal como tinha anunciado em junho, o BCE mantém o plano de continuar a compra de ativos ao ritmo atual de 15 mil milhões de euros por mês, até dezembro.

Euro recua para valor mais baixo em dois meses

Às 18:20 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1382 dólares, quando na terça-feira à mesma hora negociava a 1,1484 dólares.

PremiumFidelity: “A luta em Itália ainda agora começou”

O gestor de portefólio Alberto Chiandetti alerta que, até agora, o impacto na economia real tem sido “mínimo”, mas alerta que “os bancos italianos são o canal da volatilidade dos mercados financeiros para a economia real”.

Bruxelas e Roma batem de frente. Impasse orçamental faz subir as tensões europeias

Numa decisão inédita, a Comissão Europeia chumbou o OE italiano. A resposta do país foi peremptória: “Não nos rendemos”, disse o primeiro-ministro Luigi de Maio. O aumento das tensões afundou bolsas e fez disparar juros das dívidas.
Recomendadas

PSI20 negoceia no verde impulsionado pela Jerónimo Martins contrariando maré vermelha europeia

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI 20, regista esta sexta-feira uma subida de 0,81% para 5.395,34 pontos, em contraciclo com as bolsas europeias que negoceiam todas no vermelho.

Dados robustos põem Wall Street em máximos

Na Europa, as bolsas recuperam após os agentes económicos terem antecipado o novo envelope financeiro que o BCE vai apresentar em junho.

Wall Street sem tendência definida. Dona do ‘post-it’ afundou cerca de 13% e arrastou o Dow

No setor industrial, destaque para o tombo de 12,95% da 3M, a empresa que inventou e comercializa os ‘post-it’, o que teve um impacto negativo de 0,4% no Dow.
Comentários