BCE: Draghi admite que economia europeia está “mais fraca que o esperado”

Os riscos do Brexit, Itália e da guerra comercial estão a pesar sobre a região, segundo o presidente do Banco Central Europeu.

Kai Pfaffenbach/Reuters

O presidente do Banco Central Europeu (BCE) admitiu, esta quinta-feira, que a economia da zona euro está a ter um desempenho abaixo do antecipado e que os riscos do Brexit, Itália e da guerra comercial estão a pesar sobre a região. Ainda assim, Mario Draghi garantiu que expansão é abrangente e suporta a confiança na subida da inflação.

“A informação recebida, apesar de algo mais fraca que o esperado, mantém-se de forma geral consistente com a expansão abrangente em curso da economia da zona euro e subida gradual das pressões de inflação”, disse Draghi, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião de política monetária do BCE, desta quinta-feira.

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro cresceu 0,4% em termos trimestrais, tanto no primeiro como no segundo trimestre de 2018. A inflação acelerou 0,9% em setembro, o que compara com a meta do banco central de uma inflação próxima, mas abaixo de 2%.

Apesar de manter a posição que a robustez da economia continua a apoiar a confiança da convergência da inflação, Draghi sublinhou que “as incertezas relacionadas com protecionismo, vulnerabilidades nos mercados emergentes e volatilidade nos mercados financeiros continua proeminente”. Acrescentou que um um nível significativo de estímulos monetários continuam a ser necessários na zona euro.

Esta foi a primeira reunião do BCE após o corte nos estímulos que deverá representar a última fase do programa. Tal como tinha anunciado em junho, o BCE mantém o plano de continuar a compra de ativos ao ritmo atual de 15 mil milhões de euros por mês, o que representa uma diminuição para metade do volume que adquiriu até ao final de setembro (30 mil milhões de euros).

Após o final de dezembro, a instituição deverá termina as compras líquidas, mas iniciar o programa de reinvestimentos dos títulos que atingem as maturidades.

A reunião aconteceu também na mesma semana em que Itália e a Comissão Europeia entraram em conflito devido à proposta de Orçamento do Estado para 2019. Roma propôs uma meta de défice de 2,4% para 2019 e Bruxelas tomou a decisão inédita de chumbar a proposta. Foi pedido um novo documento retificado, o que levou a uma subida nos juros não só da dívida pública de Itália, mas de vários países da zona euro.

O presidente do BCE reafirmou que, face ao aumento do risco no mercado de dívida relacionado com Itália, a instituição irá manter-se como grande comprador de dívida devido aos reinvestimentos, cujos pormenores não são ainda conhecidos.

[Notícia atualizada às 14h05]

Ler mais
Relacionadas

BCE mantém juros em mínimos e reafirma plano para terminar estímulos

Tal como tinha anunciado em junho, o BCE mantém o plano de continuar a compra de ativos ao ritmo atual de 15 mil milhões de euros por mês, até dezembro.

Euro recua para valor mais baixo em dois meses

Às 18:20 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1382 dólares, quando na terça-feira à mesma hora negociava a 1,1484 dólares.

PremiumFidelity: “A luta em Itália ainda agora começou”

O gestor de portefólio Alberto Chiandetti alerta que, até agora, o impacto na economia real tem sido “mínimo”, mas alerta que “os bancos italianos são o canal da volatilidade dos mercados financeiros para a economia real”.

Bruxelas e Roma batem de frente. Impasse orçamental faz subir as tensões europeias

Numa decisão inédita, a Comissão Europeia chumbou o OE italiano. A resposta do país foi peremptória: “Não nos rendemos”, disse o primeiro-ministro Luigi de Maio. O aumento das tensões afundou bolsas e fez disparar juros das dívidas.
Recomendadas

Wall Street animada à espera de boa época de resultados

Setor tecnológico impulsiona Nasdaq e o mercado antecipa que as empresas que vão apresentar os resultados do segundo trimestre aumentem os lucros em 1%. O mercado também espera que a Fed corte as taxas de juro depois da reunião de julho, o que está a impulsionar os índices bolsistas.

Tensões no Médio Oriente impulsionam subida de 1,23% do Brent

A cotação do Brent subiu devido às crescentes tensões com o Irão, que levam os investidores a recear interrupções nos canais de abastecimento de gás e petróleo a partir do Médio Oriente.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários