BCE estuda revisão do programa de compra de ativos de emergência

Dois membros do Conselho de Governadores adiantaram ao Financial Times que o banco central irá debater na próxima reunião a duração do PEPP e se os critérios de flexibilidade deverão ser estendidos aos outros programas de compra de ativos.

O Banco Central Europeu (BCE) pondera rever o programa de compra de ativos de emergência devido à pandemia (PEPP), estando a refletir sobre a duração do mesmo e se os critérios de flexibilidade deverão ser estendidos aos outros programas, noticia o Financial Times.

O jornal britânico cita dois membros do Conselho de Governadores que revelam que a revisão irá avaliar o impacto do programa que o BCE lançou de resposta a crise provocada pela pandemia no valor de 1,35 biliões de euros em junho.

“Ter essa flexibilidade extra tem sido muito útil”, disse um dos membros do Conselho. O BCE não comentou a possibilidade, que deverá ser discutida na próxima reunião do banco central, em outubro.

O outro membro do Conselho ouvido pelo FT adianta que a revisão se irá debruçar se o BCE deverá deixar de usar o PEPP e se concentrar em aumentar a escala dos outros programas de compra de ativos, enquanto os poderia dotar de uma flexibilidade extra.

“Pode ser mais fácil para alguns bancos centrais nacionais aceitar uma expansão do programa tradicional de compra de ativos em vez do PEPP”, frisou.

Recomendadas

PSI 20 penalizado pelos prejuízos da Galp no arranque da sessão

O PSI 20 acompanha também a tendência das principais congéneres europeias, numa altura em que o número de infetados com o novo coronavírus continua a aumentar na Europa.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A semana será marcada pela discussão e votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2021. Os analistas e investidores estarão ainda atentos à reunião do Banco Central Europeu e aos sinais que chegam sobre a economia, através da publicação da estimativa rápida do PIB da zona euro, do terceiro trimestre.

Preço do petróleo mantém-se baixo para além de 2021, considera Banco Mundial

“Os preços do petróleo devem aumentar muito gradualmente face aos níveis atuais e chegar a uma média de 44 dólares em 2021, subindo face aos estimados 41 dólares por barril este ano, num contexto de uma recuperação lenta da procura e um abrandamento nas restrições à oferta”, lê-se no relatório sobre a evolução das matérias-primas.
Comentários