BCP aceita acordo para reduzir dívida do Sporting mas falta o Novo Banco

O prazo para o entendimento entre a SAD e os bancos terminou esta semana, mas só o Millennium bcp deu ‘ok’ à reestruturação da dívida bancária.

O prazo para o entendimento entre a SAD do Sporting Clube de Portugal (SCP) e os bancos terminou esta semana, mas só o Millennium bcp aceitou o acordo para a reestruturação da dívida bancária dos ‘leões’.

O acordo está agora dependente do ‘ok’ do Novo Banco, segundo o “Expresso”. Ao que o semanário do grupo Impresa apurou, resta a instituição bancária liderada por António Ramalho dar “fumo branco” à solução na qual o fundo norte-americano Apollo tem estado envolvido.

O assunto estará a ser resolvido nos serviços internos do Novo Banco.

O volume de negócios da SAD de Alvalade atingiu os 69,649 milhões de euros no primeiro trimestre do ano fiscal, o que representa um aumento de 39% em termos homólogos. “Este crescimento é suportado pelo aumento das receitas correntes, nomeadamente o merchadising, bilheteira e patrocínios; e pela venda de direitos desportivos, do Raphinha, Thierry Correia, Bas Dost, entre outros”, lê-se no comunicado divulgado pela CMVM no início de dezembro.

Os gastos com pessoal cresceram cerca de 3,2 milhões de euros face ao mesmo período da época passada: “No entanto, importa referir que este aumento é explicado por dois efeitos contrários: redução trimestral dos gastos com jogadores e colaboradores em cerca de 1,3 milhões de euros e aumento das indemnizações em 4,7 milhões de euros”, referia o mesmo documento.

Recomendadas

PremiumVenda do BNI Europa aguarda fecho das contas de 2019

Negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2020. O banco apesenta contas anuais em março.

PremiumBCP quer reduzir malparado para 3 mil milhões em 2021

O BCP lucrou 302 milhões em 2019, à custa de mais-valias em dívida portuguesa. A redução do 1,3 mil milhões de NPE foi a boa notícia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

O supervisor vai rever as regras de governo e sistemas de controlo interno nos bancos, incluindo práticas remuneratórias, tendo até 23 de março em consulta pública dois projetos regulamentares.
Comentários