BCP confirmou com a Sonangol que petrolífera estará atenta a movimentos de consolidação como investidora do banco

Sonangol confirmou ao BCP que estará atenta a movimentos de consolidação em Portugal e na zona euro enquanto “investidor” do banco e em “estreita articulação” com outros acionistas.

Miguel Maya
Miguel A. Lopes/Lusa

O Millennium bcp reagiu esta quarta-feira às notícias sobre uma eventual saída da Sonangol da estrutura acionista do banco e confirmou com a petrolífera angolana que esta estará atenta a movimentos de consolidação bancária na qualidade de investidora em Portugal e na zona euro, em “estreita articulação” com os outros acionistas da instituição de crédito.

Em comunicado divulgado na Comissão de Mercados de Valores Mobiliários (CMVM), o BCP disse que “na sequência das notícias hoje divulgadas na imprensa relativas à participação da Sonangol no capital social do Banco Comercial Português, as quais referem o eventual desinvestimento no banco, esclarecemos que o BCP confirmou hoje junto da administração da Sonangol que esta, embora mantenha a sua estratégia em relação ao banco, está atenta a eventuais movimentos de consolidação bancária na zona euro e em Portugal, e que, como investidor, analisará, sempre em estreita articulação com o banco e os demais acionistas estratégicos, eventuais oportunidades de criação de valor que possam fazer sentido para a Sonangol, para o banco e para os seus acionistas”.

Com 19,49% do capital do BCP, a Sonangol é o maior acionista do banco liderado por Miguel Maya, atrás dos chineses da Fosun, que detêm uma participação de 29,01%.

Esta quarta-feira, a agência “Reuters” publicou uma entrevista exclusiva ao CEO da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins, na qual abordou a estratégia de desinvestimento da petrolífera angolana.

“No caso do Millennium bcp estamos a monitorar o seu desempenho. Se se apresentar uma boa oportunidade para desinvestimento, iremos avaliá-la e fazer as recomendações que se afigurarem as mais acertadas para o contexto e necessidades da Sonangol”, disse o presidente executivo da petrolífera angolana.

O gestor adiantou ainda que “a Sonangol está a acompanhar os movimentos eventuais de consolidação bancária em Portugal e, caso surja alguma oportunidade, o assunto será avaliado com os outros parceiros investidores no Millennium bcp”.

As ações do BCP valorizaram 1,01% esta quarta-feira, para 12,02 cêntimos por ação.

Ler mais
Relacionadas

Sonangol admite vender participação no BCP se surgir uma “boa oportunidade”

Em entrevista à Reuters, o presidente executivo da petrolífera estatal angolana admitiu, além da venda, a possibilidade de avaliar fusões com outros bancos em Portugal. A Sonangol é a segunda maior acionista do banco português.
Recomendadas

“É quase inevitável que o crédito malparado começe a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Lesados do Banif e das sucursais exteriores do BES acusam Governo de violar “o princípio constitucional da igualdade”

A ALEV (Associação de Lesados Emigrantes da Venezuela e África do Sul) e a ABESD – Associaçao de Defesa dos Clientes Bancários vêm falar em “potencial violação do princípio constitucional da igualdade” em reação à notícia de que Governo pode não dar garantia a lesados das sucursais exteriores do BES e aos lesados do Banif.

Bancos repetem regras de atendimento ao público no novo confinamento geral

Apesar do dever geral de recolhimento domiciliário, os clientes que precisem de se deslocar presencialmente a uma agência bancária poderá fazê-lo. Mas os bancos voltaram a introduzir regras de atendimento ao público para mitigarem o risco de contágio de Covid-19.
Comentários