PremiumBCP disponível para vender participação de 29,8% na Inapa

O BCP é o segundo maior acionista da Inapa, depois da Parpública. O banco quer vender a participação de 29,77% da empresa.

O Millennium bcp está disponível para vender a sua participação na Inapa, soube o Jornal Económico junto de fonte conhecedora do processo. O BCP tem ao todo 29,77% dos direitos de voto da Inapa (com 8,47% de ações ordinárias e 49,47% de ações preferenciais). Desta participação o Fundo de Pensões tem 12,98% e o banco têm diretamente 16,8% dos direitos de voto da papeleira liderada por Diogo Rezende. O que estará à venda é a totalidade da participação imputada ao BCP, segundo as nossas fontes, e adiantam que já há entidades a avaliar a Inapa com vista à aquisição da empresa. Fonte do banco, questionado, disse apenas que “ter participações de capital em sociedades não financeiras não é o negócio do banco”.

O BCP é o segundo maior acionista da Inapa. Depois do Estado, o banco liderado por Miguel Maya tem 12.709.636 ações ordinárias (quase todas detidas pelo Fundo de Pensões do banco, uma vez que o BCP só tem 1.000 ações) e 121.559.194 ações preferenciais, das quais 45.810.827 ações são do Fundo de Pensões e as restantes (75,7 milhões) do BCP. É expetável que o interesse na compra da Inapa envolva também a participação da Parpública (Estado) que é de 33,33% dos direitos de voto), de forma a poder adquirir o controlo da empresa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.

CMVM defende revisão da proposta de lei da reforma da supervisão financeira

O supervisor considera que existem vários “temas e aspetos do Projeto que, por suscitarem maior preocupação crítica, reclamam aprofundamento de análise e melhoria quanto às soluções preconizadas”, segundo a entidade presidida por Gabriela Figueiredo Dias.

Banco de Portugal: Administradores com direito a receber até dois terços do salário durante período de nojo de dois anos

Para terem direito a esta compensação, os administradores não podem desempenhar atividades remuneradas, acumular com a reforma ou trabalhar para o Banco de Portugal.
Comentários