PremiumBCP disponível para vender participação de 29,8% na Inapa

O BCP é o segundo maior acionista da Inapa, depois da Parpública. O banco quer vender a participação de 29,77% da empresa.

O Millennium bcp está disponível para vender a sua participação na Inapa, soube o Jornal Económico junto de fonte conhecedora do processo. O BCP tem ao todo 29,77% dos direitos de voto da Inapa (com 8,47% de ações ordinárias e 49,47% de ações preferenciais). Desta participação o Fundo de Pensões tem 12,98% e o banco têm diretamente 16,8% dos direitos de voto da papeleira liderada por Diogo Rezende. O que estará à venda é a totalidade da participação imputada ao BCP, segundo as nossas fontes, e adiantam que já há entidades a avaliar a Inapa com vista à aquisição da empresa. Fonte do banco, questionado, disse apenas que “ter participações de capital em sociedades não financeiras não é o negócio do banco”.

O BCP é o segundo maior acionista da Inapa. Depois do Estado, o banco liderado por Miguel Maya tem 12.709.636 ações ordinárias (quase todas detidas pelo Fundo de Pensões do banco, uma vez que o BCP só tem 1.000 ações) e 121.559.194 ações preferenciais, das quais 45.810.827 ações são do Fundo de Pensões e as restantes (75,7 milhões) do BCP. É expetável que o interesse na compra da Inapa envolva também a participação da Parpública (Estado) que é de 33,33% dos direitos de voto), de forma a poder adquirir o controlo da empresa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Novo programa do BCE de financiamento (TLTRO III) é benéfico para banca europeia, diz DBRS

A DBRS espera que os bancos em Itália e Espanha e, em menor escala, em Portugal, utilizem esta fonte de financiamento nos próximos dois anos para substituir o seu financiamento TLTRO II e prolongar a maturidade do seu financiamento junto do BCE.

Pedro Neves não vê “nexo causal” entre financiamento da CGD aos acionistas do BCP e ida de dois administradores para o banco privado

“O Banco de Portugal teve sempre uma posição de independência em relação às partes envolvidas na guerra do BCP”, disse Pedro Duarte Neves. “Mas a CGD estava a financiar um dos lados [do conflito]?”, confrontou um deputado. A isto Pedro Neves respondeu: “o crédito veio da CGD, mas podia ter vindo de outro banco”. O ex-vice-Governador disse que não houve violação da norma de concentração de risco a uma única entidade.

Berardo “incrédulo com falta de memória” de Constâncio

Este comentário surge depois de o ex-governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, que esteve a ser ouvido pela segunda vez no Parlamento sobre a recapitalização da CGD, ter negado que se tenha reunido sozinho com o empresário madeirense.
Comentários