BCP emite 450 milhões de dívida subordinada e paga 3,871%

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.

Cristina Bernardo

O Banco Comercial Português (BCP) informou o mercado que fixou hoje as condições de uma nova emissão de títulos representativos de dívida subordinada que se espera que venha a ser elegível como fundos próprios de nível 2, ao abrigo do seu Euro Note Program. Isto é, a dívida Tier 2 conta para o rácio de capital total, mas não para o rácio core, CET1.

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos. O que corresponde a um spread de 4,231% sobre a taxa mid-swaps de 5,5 anos, o qual, para a fixação da taxa de juro para os remanescentes 5 anos, se aplicará sobre a taxa mid swaps em vigor no início desse período).

A operação foi colocada num conjunto muito diversificado de investidores institucionais europeus.

“A celeridade com que a operação foi executada representa a confiança do mercado no Millennium bcp, no sucesso do seu plano estratégico e a capacidade do Banco de aceder a este importante segmento do mercado de capitais”, revela o banco em comunicado.

A emissão insere-se na estratégia do Millennium bcp de otimizar a sua estrutura de capital e reforçar a sua presença no mercado de capitais internacional. Esta emissão não é elegível para MREL (Minimum Requirement for own funds and Eligible Liabilities).

Em janeiro deste ano, o BCP faz a primeira emissão de “passivo MREL” para usar em caso de resolução, no montante de 400 milhões de euros. Tratou-se de dívida perpétua que o banco pretendeu que fosse classificada como instrumento de fundos próprios adicionais de nível 1 (Additional Tier 1).

Ler mais
Relacionadas

TAP regista prejuízos de 120 milhões no primeiro semestre

Quebra nas receitas com o Brasil e aumento de custos de pessoal foram alguns dos motivos que geraram este resultado negativo.

Facebook suspende “dezenas de milhares” de aplicações por falhas na privacidade

A sua suspensão “não é necessariamente uma indicação de que as aplicações eram uma ameaça às pessoas”, ressalva a rede social.
Recomendadas

Apax Partner lança plataforma pan-europeia de seguros vida e gestão de fortunas

Depois da compra da GNB-Vida, a Apax-Partners lança a GamaLife, uma plataforma pan-europeia de seguros de vida e gestão de património. O novo presidente da ex-BES Vida é Matteo Castelvetri.

Novo Banco vende seguradora GNB Vida por 168 milhões de euros

O Novo Banco explicou, em comunicado, que “o preço fixo equivale a 168 milhões de euros para a base comparável de ativos subjacente ao preço de 190 milhões anteriormente comunicado, dado o decurso de tempo e a venda de imóveis da seguradora verificados entretanto”.

Novo Banco com participação qualificada na Cofina

O Novo Banco passou a ter uma participação superior a 2% na Cofina depois do seu Fundo NB Portugal Ações ter comprado títulos no mercado. A Cofina está em processo de aquisição da Media Capital.
Comentários