BCP emite 450 milhões de dívida subordinada e paga 3,871%

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.

Cristina Bernardo

O Banco Comercial Português (BCP) informou o mercado que fixou hoje as condições de uma nova emissão de títulos representativos de dívida subordinada que se espera que venha a ser elegível como fundos próprios de nível 2, ao abrigo do seu Euro Note Program. Isto é, a dívida Tier 2 conta para o rácio de capital total, mas não para o rácio core, CET1.

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos. O que corresponde a um spread de 4,231% sobre a taxa mid-swaps de 5,5 anos, o qual, para a fixação da taxa de juro para os remanescentes 5 anos, se aplicará sobre a taxa mid swaps em vigor no início desse período).

A operação foi colocada num conjunto muito diversificado de investidores institucionais europeus.

“A celeridade com que a operação foi executada representa a confiança do mercado no Millennium bcp, no sucesso do seu plano estratégico e a capacidade do Banco de aceder a este importante segmento do mercado de capitais”, revela o banco em comunicado.

A emissão insere-se na estratégia do Millennium bcp de otimizar a sua estrutura de capital e reforçar a sua presença no mercado de capitais internacional. Esta emissão não é elegível para MREL (Minimum Requirement for own funds and Eligible Liabilities).

Em janeiro deste ano, o BCP faz a primeira emissão de “passivo MREL” para usar em caso de resolução, no montante de 400 milhões de euros. Tratou-se de dívida perpétua que o banco pretendeu que fosse classificada como instrumento de fundos próprios adicionais de nível 1 (Additional Tier 1).

Ler mais
Relacionadas

TAP regista prejuízos de 120 milhões no primeiro semestre

Quebra nas receitas com o Brasil e aumento de custos de pessoal foram alguns dos motivos que geraram este resultado negativo.

Facebook suspende “dezenas de milhares” de aplicações por falhas na privacidade

A sua suspensão “não é necessariamente uma indicação de que as aplicações eram uma ameaça às pessoas”, ressalva a rede social.
Recomendadas

PSD junta-se à esquerda para limitar cobrança de comissões bancárias

A medida consta de um projeto de lei entregue pelos social-democratas na Assembleia da República, que prevê que os primeiros cinco movimentos mensais feitos através da MB Way bem como a emissão do distrate no final do contrato de crédito sejam gratuitos.

Carlos Costa quer mais controlo sobre clientes de risco e aperta cerco à gestão dos grandes devedores

O Banco de Portugal definiu que as políticas de cada banco terão de ser entregues até ao dia 30 de junho.

PremiumAlfredo, o algoritmo que descobre o valor da sua casa

Chama-se Alfredo IA a empresa que trabalhará em parceria com o Novo Banco para, de forma mais certeira, atribuir um valor a cada imóvel sem utilizar apenas o preço médio de venda por metro quadrado.
Comentários