BCP não vai distribuir dividendos relativos ao exercício de 2019

O Banco diz que “tal proposta visa garantir que o Banco esteja mais preparado para fazer face ao presente contexto de incerteza, tendo o Conselho de Administração reiterado a determinação de, uma vez ultrapassada a crise e na medida em que o Banco e a economia nacional iniciem a sua recuperação, retomar a política de dividendos aprovada”.

Miguel A. Lopes/Lusa

O Millennium bcp anunciou esta quinta-feira numa nota ao mercado que não vai distribuir dividendos relativos ao exercício de 2019.

“Face aos potenciais impactos e à incerteza associada à situação de pandemia, e ainda que o Banco integre o grupo de instituições financeiras sem limitações regulatórias específicas em matéria de distribuição de dividendos, o Conselho de Administração entendeu propor à Assembleia Geral Anual a retenção dos restantes resultados relativos ao exercício de 2019, dos quais 13.929.601,66 euros (13,9 milhões de euros) para reforço da reserva legal, e o remanescente, no montante mínimo de 120.085.414,93 euros (120 milhões de euros), para resultados transitados”.

O Banco diz que “tal proposta visa garantir que o Banco esteja mais preparado para fazer face ao presente contexto de incerteza, tendo o Conselho de Administração reiterado a determinação de, uma vez ultrapassada a crise e na medida em que o Banco e a economia nacional iniciem a sua recuperação, retomar a política de dividendos aprovada”.

Além disso o Conselho de Administração, que se reuniu hoje, aprovou a distribuição de 1.000 euros a cada trabalhador que não tenha sido compensado no ano passado por ter aceite uma redução temporária da remuneração entre junho de 2014 e junho de 2017. O banco  “proporá assim à Assembleia Geral Anual a distribuição de até 1.000,00 euros a cada Colaborador que, não tendo já sido integralmente compensado com os resultados distribuídos em 2019, se mantiver em funções na data de pagamento da remuneração correspondente a junho de 2020, até ao valor máximo global de  5.281.000,00 euros, no âmbito do processo de compensação pela redução de salários acordada ao abrigo do Acordo Coletivo de Trabalho, conforme redação publicada em 29 de março de 2014, no Boletim do Trabalho e Emprego n.º 12”.

Este ponto será objeto de deliberação da Assembleia Geral Anual que está convocada para o próximo dia 20 de maio.

A possibilidade de o conselho de administração do BCP cancelar a distribuição de dividendos relativa ao exercício de 2019 tinha sido avançada pelo Jornal Eco, que foi agora confirmada.

No ano passado, o banco liderado por Miguel Maya apresentou lucros consolidados de 302 milhões de euros, um ligeiro aumento de 0,3% face ao ano anterior. Na altura, o presidente executivo do BCP não quis alongar-se sobre a distribuição de dividendos, referindo apenas que a comissão executiva iria apresentar aos acionistas uma proposta de “grande prudência”.

Em 2019 o BCP distribuiu 30,2 milhões de euros em dividendos relativos ao exercício de 2018, a primeira remuneração que o banco fez aos acionistas desde 2011 e que correspondeu a um dividend payout ratio – que calcula a porção dos lucros entregue aos acionistas – de 10%.

Ler mais
Relacionadas

BCP anuncia medidas de 4,7 mil milhões para apoiar clientes atingidos pela crise do Covid-19

O presidente do BCP , Miguel Maya, revelou que está a preparar um pacote de medidas para apoiar famílias e empresas devido à crise provocada pelo novo coronavírus.

Emissão de coronabonds é “vital” para a Europa, diz presidente do BCP

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium bcp, considera que a emissão de ‘coronabonds’ é “vital para o futuro da Europa e para a coesão da Europa”.
Recomendadas

Sindicatos pedem ao Santander para suspender saída de pessoas durante o confinamento

Os três sindicatos – SNQTB, SBN e SIB – já fizeram chegar a sua posição à comissão executiva do Banco Santander liderada por Pedro Castro e Almeida. Os sindicatos pedem que durante o confinamento o processo de redução de pessoal fique suspenso.

Sindicatos querem suspensão das rescisões por mútuo acordo no Santander

Mais Sindicato e o Sindicato dos Bancários do Centro já entraram em contacto com o Santander para apelar que o banco suspenda o processo de rescisões por mútuo acordo que tem em curso.

Cobertura de necessidades de liquidez urgentes justificaram forte aumento da procura de crédito com garantia pública

A procura de empréstimos com garantia pública registou fortes aumentos no primeiro semestre de 2020, em Portugal e na área do euro, e novamente no segundo semestre de 2020 em Portugal. Pelo contrário, a procura por crédito não garantido reduziu-se em ambos os semestres em Portugal.
Comentários