BCP prepara emissão de dívida. Operação pode avançar “em breve”

O banco liderado por Miguel Maya avança que a operação poderá avançar no curto prazo “dependendo das condições de mercado”.

João Relvas/Lusa

O Banco Comercial Português (BCP) anunciou que está a preparar uma emissão de dívida, que só vai avançar se houver as condições de mercado adequadas.

O BCP informa que mandatou o Credit Suisse, o Goldman Sachs International, o JP Morgan e o Millennium BCP para atuarem “enquanto Joint Lead Managers no contexto de uma potencial emissão de títulos de dívida subordinados ao abrigo do seu Euro Note Programme, denominada em Euros, a taxa fixa, com prazo de 10 anos e 6 meses e possibilidade de reembolso antecipado, por parte do Banco, uma vez decorridos 5 anos e 6 meses”.

“Pretende-se que a emissão venha a preencher os requisitos regulamentares necessários para poder ser classificada como instrumento de fundos próprios de nível 2. Dependendo das condições de mercado, o Banco poderá decidir realizar a operação em breve”, pode-ser no comunicado divulgado esta quinta-feira, 19 de setembro, na CMVM.

Relacionadas

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

BCE analisa auditoria do BCP sobre contratação de ex-assessor de Pinho, mas idoneidade de Paulo Macedo não está em avaliação

A idoneidade de Paulo Macedo enquanto presidente da CGD não está a ser avaliada. O que está a ser estudado é se o caso da contratação de João Conceição tem motivos para abrir um processo de Fit & Proper.

Sindicatos reúnem dia 27 com Comissão Executiva do BCP para discutir revisão salarial de 2019

Concluídas as negociações de 2018, o SNQTB, SBN e SIB garantem que a negociação para 2019 continua, com a exigência de 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias, contra a proposta de 0,6% do banco.
Recomendadas

PSD junta-se à esquerda para limitar cobrança de comissões bancárias

A medida consta de um projeto de lei entregue pelos social-democratas na Assembleia da República, que prevê que os primeiros cinco movimentos mensais feitos através da MB Way bem como a emissão do distrate no final do contrato de crédito sejam gratuitos.

Carlos Costa quer mais controlo sobre clientes de risco e aperta cerco à gestão dos grandes devedores

O Banco de Portugal definiu que as políticas de cada banco terão de ser entregues até ao dia 30 de junho.

PremiumAlfredo, o algoritmo que descobre o valor da sua casa

Chama-se Alfredo IA a empresa que trabalhará em parceria com o Novo Banco para, de forma mais certeira, atribuir um valor a cada imóvel sem utilizar apenas o preço médio de venda por metro quadrado.
Comentários