BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

Cristina Bernardo

Miguel Maya, garantiu esta quinta-feira que o banco não precisa de nenhum aumento de capital, e que a prioridade do banco é preservar capital, remetendo para os números apresentados hoje na apresentação de resultados do terceiro trimestre. Mas admitiu que o banco tem capital para estudar aquisições.

“Volto a enfatizar que em nenhum dos cenários estamos a equacionar aumentar o capital que não seja através da geração orgânica”, disse o CEO, lembrando a flexibilidade regulamentar dos reguladores em termos de capital regulatório.

O CEO do BCP disse que não tem interesse em comprar o Banco Montepio, mas se surgir alguma oportunidade estudará, mas não tem aquisições na agenda. A única que tinham era a da compra do EuroBank na Polónia e já o fizeram. No entanto se surgir alguma operação no mercado o BCP admite analisar, se o BCP beneficiar com isso.

“Não estamos a estudar nenhuma operação de aquisição”, disse. “Não fomos falar com os acionistas do Montepio para propor seja o que for”, referiu o banqueiro na conferência sobre os resultados do banco nos nove meses.

“Também é nossa obrigação (…) se surgir uma oportunidade no mercado, olhar para ela, mas não estamos à procura dela, se aparecer veremos os termos e se faz sentido para o BCP. Há uns anos atrás não poderíamos sequer dizer isto”, disse Miguel Maya que frisou que não é esse “o eixo principal” e que a aposta do banco é no crescimento orgânico.

O banco diz que hoje já tem condições para analisar operações que façam sentido para o BCP, pois já tem capital suficiente para acomodar uma aquisição.

O BCP apresentou uma geração de capital de 22 pb no terceiro trimestre. O rácio de capital total é de 15,7% (fully implemented) em setembro de 2020, “confortavelmente acima dos requisitos SREP”, diz a instituição. O banco tem um buffer de 2,4 pp entre o rácio de capital total e os requisitos SREP não considerando a utilização das reservas de conservação e O-SII, e de 5,5pp considerando a utilização das mesmas.

O rácio de capital CET1 é de 12,4% (fully implemented) em setembro de 2020 e apresenta um buffer de 1,1 mil milhões acima do nível em que existem restrições ao montante máximo distribuível de resultados (MDA), de acordo com a regulamentação bancária.

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

 

 

Ler mais
Relacionadas

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.

Lucros do BCP caem 46% para 146 milhões nos primeiros nove meses do ano

O banco liderado por Miguel Maya teve um resultado líquido consolidado de 146,3 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, penalizado pelo aumento das imparidades e provisões, provocado pela antecipação do impacto económico da Covid-19 e do tema judicial dos francos suíços na operação polaca.
Recomendadas

António Horta Osório vai ser Chairman do Credit Suisse

Horta Osório será eleito Presidente do Conselho de Administração do Credit Suisse em maio. O banco está presente em Portugal. A nomeação será rápida, já que sendo um banco suíço não precisa de passar pela morosa avaliação do BCE.

Eurogrupo chega a acordo sobre reforma do MEE e ‘backstop’ para Fundo Único de Resolução

Os ministros das Finanças da zona euro chegaram hoje a acordo sobre a reforma do Mecanismo Europeu de Estabilidade e a introdução de uma rede de segurança no Fundo Único de Resolução, medidas que permitirão atenuar futuras crises.

BCE autoriza João Pedro Oliveira e Costa como CEO do BPI

Depois de ser autorizado pelo BCE, o CaixaBank aprovou esta segunda-feira por unanimidade a composição dos órgãos sociais do BPI para o mandato de 2020-2022. João Pedro Oliveira e Costa sucede oficialmente a Pablo Forero.
Comentários