BCP vai recorrer da multa de 60 milhões de euros imposta pela Concorrência

Em comunicado divulgado pela CMVM, o BCP sustentou que “da decisão da AdC não resulta que as práticas de partilha de informação imputadas ao BCP tenham tido qualquer efeito negativo para os consumidores”.

João Relvas/Lusa

O Millennium bcp vai impugnar judicialmente a decisão da Autoridade de Concorrência (AdC) que condenou o banco liderado por Miguel Maya a pagar 60 milhões de euros – valor avançado pelo Jornal Económico – por ter estado envolvido numa prática concertada na qual trocou informação com outros bancos sobre crédito à habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas.

Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM), o BCP sustentou que “da decisão da AdC não resulta que as práticas de partilha de informação imputadas ao BCP tenham tido qualquer efeito negativo para os consumidores”.

“Saliente-se, aliás, que o período abrangido pela Decisão inclui o período pré-crise financeira de 2008 em que se verificaram práticas comerciais muito competitivas entre instituições, com vista ao reforço das respectivas quotas de mercado, as quais foram posterior e publicamente reconhecidas por analistas e pelos media em geral como geradoras de crédito com preços muito baixos”, prossegue o BCP no comunicado.

“Após 2008 o preçário do BCP refletiu o aumento generalizado dos spreads de crédito em consequência da crise económico-financeira e as condições de financiamento do país. Salienta-se também que as informações trocadas pelos departamentos de marketing correspondiam, no caso do BCP, aos spreads standard que são divulgados através do preçário geral e não aos preços que acabam por ser praticados nas negociações individuais com os clientes”, lê-se na nota.

A AdC condenou esta segunda-feira, dia 9 de setembro, multou 14 bancos em 225 milhões de euros (valor global da coima) por terem participado num esquema de pratica concertada de troca de informações por um período superior a dez anos, entre 2002 e 2013.

Os bancos condenados foram o BBVA, o BIC (por factos praticados pelo então BPN), o BPI, o BCP, o BES, o BANIF, o Barclays, a CGD, a Caixa de Crédito Agrícola, o Montepio, o Santander (por factos por si praticados e por factos praticados pelo Banco Popular), o Deutsche Bank e a UCI.

Até ao momento, sabe-se que o Santander Totta, o Millennium bcp e a Caixa Geral de Depósitos vão recorrer da decisão da Concorrência.

Ler mais
Relacionadas

Concorrência multa CGD em 82 milhões e BCP em 60 milhões

CGD vai recorrer, o mesmo sucedendo com o Santander, que foi multado em 35 milhões de euros e com o BCP. O BPI e o Montepio foram multados em 30 milhões e 13 milhões respectivamente.

Autoridade da Concorrência multa 14 bancos em 225 milhões por prática concertada de preços na concessão de crédito

“Os bancos condenados são  o BBVA, o BIC (por factos praticados pelo então BPN), o BPI, o BCP, o BES, o BANIF, o Barclays, a CGD, a Caixa de Crédito Agrícola, o Montepio, o Santander (por factos por si praticados e por factos praticados pelo Banco Popular), o Deutsche Bank e a UCI”, diz a AdC em comunicado.

BES multado pela Autoridade da Concorrência

O valor da multa ao BES é de 700 mil euros. O banco em liquidação foi notificado na noite de segunda-feira.
Recomendadas

Banco Mundial alerta para falta de fundos para os mais pobres

Para David Malpass, o efeito devastador da pandemia na economia mundial é muito superior aos 5 biliões de dólares de riqueza destruída apontados numa primeira estimativa de danos.

Deutsche Bank emite o seu primeiro ‘green bond’

A obrigação verde, de 500 milhões de euros, a seis anos tem um cupão de 1,375%. O banco alemão planeia alocar 200 mil milhões de euros em investimentos sustentáveis ​​até 2025.

Millennium bcp e ActivoBank disponibilizam Apple Pay aos clientes

Os cartões BCP estreiam-se nesta aplicação e acabam com a “exclusividade” do Crédito Agrícola. Os clientes do Millennium passam a poder adicionar os seus cartões ao serviço de pagamentos digitais da Apple, que já vem integrado nos iPhone mais recentes.
Comentários