BE está disponível para aprovar nova Comissão de Inquérito ao caso Tancos

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda (BE), Pedro Filipe Soares, quer mudar as conclusões do relatório da Comissão de Inquérito ao caso e volta a questionar a pertinência da Polícia Judiciária Militar (PJM).

Cristina Bernardo

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda (BE), Pedro Filipe Soares, afirmou esta quarta-feira que o partido está disponível para aprovar uma nova comissão de inquérito ao caso de Tancos. Pedro Filipe Soares quer mudar as conclusões do relatório da Comissão de Inquérito ao caso e volta a questionar a pertinência da Polícia Judiciária Militar (PJM).

“Temos toda a abertura para na próxima legislatura fazer uma comissão de inquérito sobre o que verdadeiramente aconteceu [no caso Tancos]”, afirmou Pedro Filipe Soares, na reunião da comissão permanente sobre o caso de Tancos.

Na mesma linha que o BE, o Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) assegurou que não se vai opor à criação de uma nova comissão – que o CDS-PP já tinha anunciado que irá propor. Já o PCP disse que esse é um assunto que cabe aos tribunais e deve ser tratado pelas entidades competentes.

Pedro Filipe Soares acusou ainda os partidos de direita de terem politizado o caso, mas que as suspeitas que incidem sobre o antigo ministro da Defesa José Alberto Azeredo Lopes merecem ser avaliadas. “Creio que a suspeição que está em cima da mesa, e que foi o tema principal durante toda a campanha eleitoral do PSD e CDS-PP, é uma suspeição que merece ser avaliada”, disse.

“O que o BE fez questão de deixar nas conclusões da comissão de inquérito foi que não tinha sido provado o envolvimento do ex-ministro Azeredo Lopes. Não foi uma declaração de ‘inocentação’, mas de facto apurados na comissão”, sublinhou o líder parlamentar do BE.

E acrescentou: “Se novos factos, e a acusação do Ministério Público assim o parece indiciar, creio que a conclusão da comissão de inquérito deve ser alterada. Da nossa parte, temos toda a abertura para essa alteração, mas sempre baseada com factos e não com suposições ou opiniões”.

O deputado bloquista defendeu ainda que “a própria PJM merece uma reflexão sobre se deve ou não existir” e que sobre este assunto, os portugueses já sabem qual é a visão do partido: acabar com a PJM.

A reunião da Comissão Permanente foi pedida com “com caráter de urgência” pelo PSD ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, invocando uma “suspeita da conivência do primeiro-ministro”.

O PSD defende que a acusação do Ministério Público no processo de Tancos “afeta diretamente um ex-membro do atual Governo, pondo a nu a existência de condutas extremamente graves no exercício dessas funções políticas que colidem com o compromisso assumido perante todos os portugueses de exercer com lealdade as funções que lhe foram confiadas”.

Ler mais
Recomendadas

Lisboa vai ter mais 10 mil lugares de estacionamento da EMEL no próximo ano

No total, vão passar a existir mais de 100 mil lugares na via pública geridos pela EMEL até ao final de 2020. Autarquia planeia mais fiscalização nos estacionamentos abusivos e em segunda fila.

Miguel Pinto Luz anuncia candidatura à liderança do PSD

Miguel Pinto Luz junta-se a Luís Montenegro na corrida pela chefia do partido liderado por Rui Rio.

CDS: Assunção Cristas renuncia ao mandato de deputada

A líder centrista mantém-se no cargo de deputada até ao congresso do CDS, mas não se recandidata à liderança.
Comentários